Rio de Janeiro. Aproveite antes da turma chegar

Vista do Forte de Copacabana

O Rio tem tudo para ser uma das grandes estrelas mundiais do turismo e que agora, pós nominação para as Olimpíadas em 2016 e final da Copa do Mundo em 2014, os olhos se voltarão para ela e o mundo poderá redescobrí-la. Já era tempo para isso acontecer! Como um dos cenários mais espetaculares da terra atraia menos turistas se comparado com outras cidades de porte similar ou até mesmo menor? O Rio não deixa nada a dever a Barcelona na Espanha, Cancun no México, Dubai nos Emirados Árabes e Istambul na Turquia, todas cidades também banhadas pelo mar e com suas dinâmicas ligadas diretamente com a água E todos os 4 destinos citados recebem um número de turistas maior que a nossa tão querida cidade maravilhosa e nenhuma é tão completa ou possui tantos atrativos como aqui.

Vista do Jardim Botânico

Palmeiras Imperiais do Jardim Botânico

O Rio é para se ir sempre, mesmo que somente em um fim de semana. Entre na rotina dos cariocas pra sentir a verdadeira vibração, compre biscoito Globo na praia, caminhe no calçadão pela manhã, ande de bicicleta na Lagoa, tome café da manhã na filial da tradicional Confeitaria Colombo no Forte de Copacabana, passe em alguma das muitas frutarias e peça seu suco feito na hora, nunca pule o happy hour (pode ser no Braca ou em muitos outros), e repita isso todos os dias que você será eternamente mais feliz e muito menos estressado. Se ainda der tempo, aproveite que domingo tem menos trânsito e dirija atá Grumari para tomar a melhor caipirinha de tangerina do mundo e comer uma moqueca no meio de muita vegetação e com vista de perder o fôlego para a Barra de Guaratiba. Procure pelo restaurante da Tia Pamira ou do Bira. Aproveite a viagem e visite o sítio onde viveu o maior paisagista brasileiro, Roberto Burle Marx.

Se bater preguiça de ir longe, o caminho te leva para as ladeiras de Santa Teresa, a Montmartre carioca. A impressão é que se voltou no tempo e o clima bucólico só é quebrado quando se olha para uma das melhores vistas do Rio de Janeiro. O exclusivo Hotel Santa Teresa montado num casarão de 1850 tem um ótimo restaurante, o Térèze, pra se apreciar o clima, o visual e uma culinária de primeira. Procure saber a história do local, que foi o antigo Hotel dos Descasados, além do que os funcionários já irão falar da passagem de Amy Winehouse pelo local. Ou você pode optar pelo restaurante Aprazível, que faz juz ao nome e fica ali pertinho. Em Santa Teresa se encontra o museu Chácara do Céu, onde arte, história e natureza convivem em harmonia. No interior da casa modernista você poderá ver obras de Matisse, Dalí, Miró, Picasso, Debret, Portinari e Di Cavalcanti.

Diversidade no calçadão de Copacabana

Mas o Rio tem muito além das grandes atrações turísticas que todos saber de cor e não preciso escrever aqui. O Jardim Botânico é o grande quintal dos cariocas e andar por seus jardins luxuriantes recupera qualquer mortal de um dia estressante. Repare que pelas árvores centenárias encontram-se macaquinhos, tucanos e muitas outras aves tropicais. Ali perto fica o Parque Lage, que é ótimo para um café da manhã no fim de semana ou quando se tem um pouco mais de tempo pra curtir sem pressa.

Piscina do Copacabana Palace

Vista do Hotel Fasano no entardecer

Porém seu tour ainda não terminou. Caminhar pela orla pode render um dia espetacular. Do calçadão de Copacabana, passando pelo lindo visual do Arpoador, depois Ipanema e finalmente Leblon. Aí entre para o bairro, passeie pela Dias Ferreira e suas charmosas livrarias, tenha uma refeição balanceada, porém muito saborosa no Celeiro ou na filial carioca do paulistano e contemporâneo Carlota e chegue até a Lagoa para terminar de fazer a digestão. Na volta, o happy hour pode ser no badalado hotel Fasano que fica de frente para o mar no metro quadrado mais caro do Brasil. A vista compensa o preço dos drinks ou então rume para a beira da piscina do Copacabana Palace, outra alternativa também classuda. E mesmo que você não esteja hospedado em nenhum desses lugares, termine sua viagem em grande estilo, porque o Rio compensa qualquer extravagância e muitas e muitas idas para viver como um bom carioca da gema.

Os famosos biscoitos de polvilho Globo nas versões doce ou salgado

Ale Ravagnani

Anúncios

Voar esta ficando cada vez mais difícil, então programe-se

Cena cada vez mais comum nos aeroportos

Caos aéreo mundo afora

Pegar um simples voo dá cada vez mais trabalho. Foi-se o tempo do glamour de aeroporto, de passear em Congonhas. Agora é a mais pura guerra mesmo. Se você está viajando em feriado ou em datas muito procuradas, prepare-se. Estão indo você e toda a torcida do Corinthians. Se o seu aeroporto for dos mais distantes, como Guarulhos em São Paulo ou o Galeão no Rio, é melhor já contar com o trânsito e sair com boas horas de folga.

Percebendo um pouco este tumulto, somado às precárias condições de nossos aeroportos, as companhias aéreas estão tomando algumas providências para facilitar o check in. Opte chegar ao aeroporto de taxi para evitar pelo menos o sufoco do trânsito. Pense que os taxistas conhecem mais opções alternativas de caminhos e atalhos que você e ainda não perdemos tempo procurando vaga nos saturados estacionamentos.

Primeiro foram as máquinas de auto atendimento que a Tam e na sequência a Gol lançaram. Elas funcionam para os viajantes de negócio que muitas vezes não tem bagagem para despachar, ou seja, nem sempre resolve. Agora mais recentemente começaram a surgir os aplicativos para smartphone. O check in pode ser feito pelo celular digitando o localizador ou seu nome. A princípio funciona bem e finalmente acaba com o bilhete de papel, ação no mínimo civilizada e mais sustentável.

Mas como o caos aéreo está longe de acabar, colocando na ponta do lápis ainda vale a pena ser fiel a poucas companhias aéreas ou até mesmo a somente uma. Sendo um viajante frequente, suas chances de juntar pontos nos programas de fidelidade aumentam. Se você dispersar e voar com todas, vai demorar muito mais tempo para resgatar seus tão suados trechos gratuitos ou upgrades.

Além disso, subindo na hierarquia dos programas, outros benefícios surgem, como embarque preferencial e acesso às salas vips. Não que elas sejam “vip” de verdade, mas um pouco de conforto no meio do tumulto pode ser um diferencial e tanto.

Porém, promoções relâmpagos aparecem de vez em quando e aí fica impossível ser fiel à sua companhia aérea. Geralmente as promoções são divulgadas na 6ªf à noite.

Para os viajantes internacionais, é bom lembrar que as companhias nacionais estão fazendo acordos com as grandes do mundo. A Tam se juntou à Star Alliance, que conecta com outras empresas para o mundo inteiro. Além de ter uma variedade de conexões muito maior, os benefícios nos aeroportos acabam se estendendo. Por examplo, cliente “vermelho” Tam é cliente Gold na cia parceira e isso pode ser bastante útil. Já a Gol e seu Programa Smiles passaram a acumular milhas com outras aéreas do Flying Blue e com a American Airlines, possibilitando mais conexões mundo afora, já que a Gol tem um alcance internacional limitado, atuando somente na América Latina.

Ainda neste tópico, vale lembrar que a alta temporada nos Estados Unidos é entre junho e julho e entre dezembro e janeiro e na Europa entre agosto e setembro, portanto prepare-se para pagar mais nesses períodos.

Na questão aeroportos e parcerias, além dos cartões de crédito cooperados que também ajudam a turbinar suas milhas, a bandeira Dinners, embora um pouco menos aceita, tem salas VIP em alguns aeroportos, que podem quebrar um galho em algum eventual atraso de voo.

No mais, evite os horários de pico dos aeroportos e horários com problemas metorológicos crônicos de outros. Quando o outono começa, cidades do sul do país como Curitiba, Joinville, Porto Alegre e até memo Congonhas em São Paulo tem sempre neblina pela manhã, portanto sair no primeiro voo do dia, nem pensar ou vá se não tiver hora marcada em seu destino final.

Além disso, se você não tem dia exato para viajar, lembre que os dias da semana de maior procura por passagens são: na ida, 2ª e 3ª f. e na volta, 5ª e 6ª f.

E se depois disso tudo você não desistiu de viajar, YES! você é dos meus. Faça chuva ou faça sol, estamos sempre prontos pra viajar!

Hora do rush em Congonhas, SP

Ale Ravagnani

Ushuaia, a era do gelo e a cidade do fim do mundo

Tipos de pinguins da Patagônia e da Antarctica

Qual é a sensação de se chegar no fim do mundo? É achar que dali em diante não tem mais nada? Nos esquecemos que a terra é redonda e que isto é um simples ponto de vista. Mas a cidade de Ushuaia localizada no extremo da Patagônia Argentina e da América do Sul, exibe este título e se gaba disso sempre que pode. Como não poderia deixar de ser, talvez por resquícios da antiga briga fronteiriça com o Chile, cada um dos países defende sua cidade como a mais ao sul do mundo. O Chile diz que Puerto Willians é sua resposta e que fica mais ao sul, e realmente é. Mas a Argentina defende Ushuaia para o título dizendo que a cidade chilena é uma simples base naval. De longe e de dentro de um barco, pude notar que Puerto Willians realmente é diminuta e que raramente deve atrair algum visitante. A verdade é que ambas as cidades são praticamente a última povoação da América do Sul antes de chegar à Antarctica. Elas ficam quase uma em frente à outra, situadas na Terra do Fogo com o Canal de Beagle separando-as e fazendo a estratégica ligação entre o Oceano Atlântico e o Pacífico.

Ushuaia e seu aeroporto vistos de cima

Puerto Willians no Chile e o Canal de Beagle

E é justamente a localização de Ushuaia que traz tanta mística e lendas sobre ela. As águas frias atraem uma diversificada fauna com aves como cormorões, pinguins, lobos marinhos e a apreciada centolla, um caranguejo gigante que é uma das grandes estrelas dos cardápios patagônicos. Além dela, que você não vai enjoar mesmo se comer todos os dias, intercale com a fantástica merluza negra (nada a ver com a nossa daqui) e bom apetite! Antes agende um passeio de barco na região do porto e zarpe no horário da tarde para avistar a vida marinha e o Farol do Fim do Mundo, com opção de descer na ilha dos pinguins. Mas o motivo do horário é que na volta, já bem no fim da tarde, o por do sol é um presente com cores que só existem ali.

Porto de Ushuaia

Endurance de 1912 que levou Shackleton à Antarctica

Farol do Fim do Mundo

Ilha dos pinguins no Canal de Beagle

Pinguins no Canal de Beagle

Em Ushuaia opte por um hotel confortável à beira do Beagle e relaxe. Mesmo se você optar por um mais afastado do centro da cidade, o visual compensa. Se der sorte com o tempo, como foi em minha viagem com meu pai, o sol mostra que a natureza está ali bastante intocada e a exploração ainda não está massificada. Se sua viagem for no inverno, siga em frente se você realmente viajar para esquiar, mas não espere grandes infra-estruturas como as estações de esqui mais centrais da Argentina ou do Chile. Gorro, cachecol, luvas e casaco corta-vento tem que fazer parte de sua viagem em qualquer época do ano e prepare-se que o tempo muda sem avisar. Outro atrativo é o Parque Nacional da Terra do Fogo, que você pode fazer em um tour ou então combinar com um motorista de taxi para passar algumas horas ali com você. O início pode ser pelo Trem do Fim do Mundo, uma pequena locomotiva a vapor que passa por um trecho do parque e depois a viagem continua por terra, parando em mirantes e fazendo pequenas caminhadas. Um dos principais atrativos ficam por conta dos castores que foram introduzidos na região por um descuido e hoje fazem barragens imensas, cortando árvores e desviando rios para melhor abrigar sua ninhada e descendentes. Apesar de destruírem a natureza, é uma atração pra nós turistas.

Canal de Beagle perto de Ushuaia

Osso de baleia em restaurante de Ushuaia

Praia em Ushuaia e o Chile ao fundo

Hotel Los Cauquenes, Ushuaia

Casa em Ushuaia

Castoreiras, Parque Nac. Terra do Fogo

Trem do fim do mundo

Mas como esta viagem teve um gostinho especial para mim, em que minha companhia foi ninguém menos que meu pai, optamos por dividí-la em duas partes, o extremo sul que acabei de contar e a região das geleiras, um pouquinho mais ao norte e na fronteira com o Chile e que eu já havia visitado algumas vezes. Ali fica localizado o Campo de Gelo Sul, a maior massa de gelo das Américas e resquício verdadeiro da era do gelo e do que sobrou das glaciações. A partir da cidade de El Calafate (não quero ser repetitivo, portanto veja o post “Patagônia Argentina é logo ali” no blog), e acessível tanto de carro quanto de barco às imensas geleiras e paisagens brancas. Mas desta vez, para mim a novidade nesta viagem foi o Glaciar Upsala, um dos maiores do Parque Los Glaciares, região que concentra grande parte das geleiras na Argentina. Hoje em dia o imenso glaciar está com o acesso mais difícil. O braço do Lago Argentino, onde se chegava de catamarã, está bloqueado por imensos icebergs que não deixam mais os barcos chegarem nem perto de sua base. O caminho ficou mais longe porém muito mais divertido. O barco chega até a Estância Cristina, uma antiga fazenda de ingleses produtores de ovelhas, de lá jipes 4×4 estão esperando para te levar numa sacolejante viagem montanha acima até não haver mais trilhas para carros. A partir daí você está por si próprio e uma caminhada relativamente fácil te leva até a mais bonita de todas as vistas, que se dá para o imenso Glaciar Upsala. É de tirar o fôlego se deparar com tanto contraste e beleza, mas compensa cada tranco no jipe ou escorregada na trilha. Vá com muita expectativa e volte ainda assim surpreendido. Já o famoso Glaciar Perito Moreno é mais fácil de chegar e conhecê-lo, e ainda assim é extremamente belo e parte imperdível da viagem à região. A cidade de El Calafate, base para esta parte da Patagônia, é muito bem organizada e tem toda a infra-estrutura e conforto para o viajante. Aqui o prato principal é o cordeiro patagônico feito no fogo de chão e sempre de comer de joelhos. Só assim pra recuperar seu fôlego e se preparar para mais um novo dia de aventuras que nunca mais sairão de suas memórias. Ale Ravagnani

Icebergs no Lago Argentino

Chegada à Estância Cristina

Trekking para o Glaciar Upsala

Trekking Glaciar Upsala

Glaciar Upsala visto do alto na Estância Cristina

Glaciar Upsala

Praia dos Carneiros é a praia mais perfeita da nossa costa

A uma hora e meio do Recife no município de Tamandaré, esta espetacular praia de Pernambuco é uma preciosidade do nosso litoral e pronta para ser descoberta por muitos. Até a pouco tempo, a praia pertencia a uma única família e pouquíssimas pousadas dividiam os 5 km de areias brancas entre a praia e o Rio Formoso que se juntam confundindo água doce ou salgada. A procura foi aumentando, as pousadas se profissionalizando e ficando mais transadas e aos poucos chamava a atenção dos investidores. Um grande condomínio de luxo, financiado por um grupo espanhol, já está sendo construído no pedaço da praia de rio e planos de alguns resorts já estão no papel, portanto corra antes que o paraíso não seja mais só seu.

Nascer do sol em Carneiros

Dia cheio na praia, perto do Pontal

Piscina natural em frente à pousada Pontal dos Carneiros

Imagine uma imensa fazenda de coqueiros margeando uma praia inteira para nos dar a sombra perfeita. Somado a isso, curvas sinuosas quebram a monotonia da paisagem, piscinas naturais que dependendo da maré chamam para um banho em diferentes horas do dia e um rio perfeito de águas claras que se confundem com o mar tranquilo. É a soma disso tudo que faz da Praia dos Carneiros um dos lugares mais perfeitos do Brasil. Caminhar pelas areias brancas e se deparar com uma pequena igrejinha à beira mar, emoldurada pelos coqueiros e pela água azul, é um cenário mais que perfeito. A Capela de S. Benedito do XVIII está ali pra gente não esquecer que o lugar tem um toque divino.

Capela de S. Benedito

Praia em frente ao Sítio da Prainha

Transporte na praia

Preparado para o sol

O maior luxo por lá é poder desfrutar de cenário tão privilegiado. A maioria das pousadas tem um grande jardim gramado na frente da praia com espreguiçadeiras, redes, sombra e água fresca. Durante o dia quando se cansar da areia, a pousada é o refúgio perfeito. De noite, o restaurante Beijupirá, na altura do Pontal, é a melhor pedida e opção imperdível para peixes e frutos do mar. Este é uma filial da matriz de Porto de Galinhas e a bem sucedida grife está se expandindo. No final do ano passado chegou a Fernando de Noronha junto com sua ótima pousada. Dependendo da época, não deixe de reservar e vá sem pressa curtir o paraíso gastronômico de Carneiros.  Mas antes de voltar para seu bangalô, fuja das luzes da pousada e olhe para cima. Um céu infinito de estrelas te presenteia com uma noite que não se vê mais por aí. Aproveitem enquanto esse pedacinho do paraíso pode quase ser só seu.

Bangalôs da pousada Pontal dos Carneiros

Restaurante Beijupirá

Restaurante Beijupirá

Pousadas recomendadas:
Pontal dos Carneiros
– excelente localização próxima das piscinas naturais e possui charmosos bangalôs. O ponto baixo são os preços mais salgados. Sítio da Prainha – pousada bastante confortável mas sem luxo. Fica um pouco mais distante, porém num ponto tranquilo da parte de rio da praia. Tem uma piscina gostosa e um jardim de frente para o mar. Ale Ravagnani

Piso de mosaico da Capela

Painel do ceramista Brennand no aeroporto do Recife

Por do sol inesquecível em Carneiros