Barcelona se renova todos os dias

Domo de vitral em edifício de Barcelona

Detalhe nas ruas

Se não fossem por seus arquitetos-artistas, Barcelona não seria a mesma hoje em dia. Sua paisagem arquitetônica atual transformou a cidade, trazendo uma mescla única entre o moderno e o antigo, o novo e o tradicional. Considero a cidade de Barcelona, situada na região da Catalunha na Espanha, um museu a céu aberto. Sempre me inspira andar por cidades onde a preocupação estética é realmente levada a sério. Aqui a arquitetura é pensada para melhorar a vida de seus habitantes e uma verdadeira inspiração para a vida.

Sagrada Família em construção há mais de 100 anos

Sagrada Família, Gaudí

O onipresente Antoni Gaudí teve a cidade onde viveu e trabalhou como grande fonte de inspiração. Desde a inacabada Sagrada Família, que teve o início de sua construção em 1882 e que está prevista para acabar em 2020, ao fabuloso Parque Güell, que representa o máximo do modernismo catalão e foi construído entre 1900 e 1914. Tudo exprime a arte do mestre Gaudí. O Parque fica numa área alta de Barcelona, com vista para toda a cidade com o mar ao fundo, e isto é só o pano de fundo. É no próprio parque que estão suas atrações. Densamente construído, apesar de se denominar um “parque”, cada detalhe tem algo de extraordinário, os mosaicos que de perto são cacos de azulejos, visto de longe são harmônicos e de uma beleza extrema. As construções são curvilíneas antes mesmo das formas orgânicas estarem tão na moda.

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Parque Guell, Gaudí

Mas Gaudí não parou por aí. Também projetou diversas casas e edifícios como a Casa Milà ou La Pedrera em 1905. O edifício não possui qualquer linha reta, parecendo ondas ou dunas de areia, nada mais apropriado para uma cidade à beira mar. As chaminés que saem de seu telhado também são peculiares como todo o conjunto. A Casa Batlló foi uma reforma que Gaudí realizou no edifício de 1875 e é conhecida como A Casa dos Ossos, devido ao formato dos balcões exteriores que se assemelham a um crânio e ossos.

Casa Milà, Gaudí

Casa Milà, Gaudí

Casa Milà, Gaudí

Casa Batlló, Gaudí

Casa Batlló, Gaudí

Casa Batlló, Gaudí

Casa Batlló, Gaudí

Casa Batlló, Gaudí

Mas muitos outros grandes arquitetos contribuíram para a cidade. O Palácio da Música Catalã é um auditório construído em 1905 e junto com seus fantásticos vitrais, é uma obra-prima do modernismo catalão. O Teleférico de Montjuic foi construído para a Exposição Universal em 1929, e estende-se sobre o Porto antigo, e vai da Torre de San Sebastián em Barceloneta até Miramar, para o castelo no topo de Montjuic. A viagem chega a uma altura de cerca de 70 metros, e há pontos de vista do porto e da cidade que são deslumbrantes.

Palácio da Música Catalã

Teleférico de Montjuic

Além destes ícones, mais recentemente Barcelona passou por uma nova onda de transformação. Nos Jogos Olímpicos de 82 o Palau Sant Jordi ou  Palácio dos Esportes foi construído por Arata Isozaki, a Torre de Collserola por Norman Foster e a Torre de Monjuic por Santiago Calatrava. No período pós olímpico, a cidade ainda ganhou o Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (MACBA) de Richard Meier, a Torre Agbar de Jean Nouvel, a Torre do Triângulo Ferroviário (La Sagrera) de Frank Gehry e o Edifício Fórum de Jacques Herzog e Pierre de Meuron. Todos os principais arquitetos da atualidade estão com obras espalhadas pela cidade, todos disputando para exporem o melhor de sua arte nesta galeria a céu aberto que é Barcelona.

A conclusão que chego é que Barcelona se renova a cada ano, com ou sem crise, e isto só atrai ainda novas ondas de turistas que não param de chegar à cidade e a ajudar renovar a economia espanhola.

Torre de Monjuic, Parque Olímpico

Parque Olímpico

Para se ver do alto

Parque Joan Miró

Ale Ravagnani

Andaluzia é iluminada

Cerâmicas com influências árabes

Acredito que a mistura transforma os lugares e as pessoas ainda mais especiais, cheios de referências, contrastes ou até mesmo contradições, mas que os torna verdadeiramente ricos e diferenciados. A região da Andaluzia na Espanha tem este pressuposto desde seus primórdios, com tantas influências, principalmente a dos mouros, mas sem esquecer que antes romanos, vândalos e visigodos passaram por ali. Em 711 A.C. os árabes invadiram a região, um domínio que durou oito séculos e deixou marcas na população e na cultura da Andaluzia. Estabeleceram um Emirado com capital em Córdoba, que se tornou independente de Damasco no ano de 929. Este período foi de grande prosperidade, mas após muitos séculos, em 1609, os Mouros foram totalmente expulsos da Península Ibérica. Seu nome provém de Al-Andalus, nome que os muçulmanos davam à Península no século VIII. Encurtando um pouco a história, ainda veio a Guerra Civil Espanhola que deixou profundas marcas por todo o país e o implacável General Franco, como tantos outros mundo afora e que deixam um legado questionável. Hoje encontramos um país moderno, apesar da recente crise não ter sido fácil por lá, a história está toda ali para ser descoberta. As cidades de Sevilha, Córdoba, Málaga e Granada são jóias da arquitetura e uma viagem pela região é uma aula in-loco de arte, cultura e história.

Parte moderna de Sevilha

Catedral de Santa Maria de Sevilha

Torre da Giralda

Parte antiga de Sevilha

Praça de Espanha, Sevilha

Sevilha é uma cidade vibrante, com vida independente do turismo, mas ao mesmo tempo cheia de atrações. Em 1992 se realizou a Exposição Universal de Sevilha e grandes monumentos revitalizaram a cidade em sua história atual. A Catedral de Santa Maria de Sevilha, onde sua torre é conhecida como Giralda, é a maior do mundo e uma jóia do gótico e do barroco, além de ter sido eleita Patrimônio da Humanidade em 1987. Na época era a torre também era a mais alta do mundo com 97,5 metros. Começou a ser construída no século XII, onde surgiu a partir de uma mesquita, enquanto o restante superior da catedral foi construída no século XVI na época cristã.

Mesquita de Córdoba da janela do hotel

Mesquita de Córdoba

Mesquita de Córdoba

Mesquita de Córdoba

Alcázar dos Reyes Cristianos, Córdoba

Alcázar dos Reyes Cristianos, Córdoba

Grande Mesquita, Córdoba

Córdoba, pequena jóia que deve ser descoberta devagar para sentir a presença do tempo e se perder por suas vielas à noite, é pura magia. Também foi uma cidade romana e na Idade Média capital do califado islâmico. A cidade antiga apresenta uma impressionante arquitetura, tendo a Grande Mesquita como destaque imperdível. No século X, Córdoba era provavelmente a cidade mais populosa do mundo e hoje conta com quase 350 mil habitantes, número proporcional infinitamente inferior ao de seu passado. Imperdível também são os jardins do Alcázar dos Reyes Cristianos, com suas fontes enfileiradas e jardins ornamentais, refúgio certeiro para os implacáveis dias de verão da região.

Alhambra, Granada

Alhambra, Granada

Alhambra, Granada

Vista de Granada do alto do Alhambra

Alhambra

Alhambra

Alhambra

Alhambra

Alhambra

Granada, cidade toda branca situada aos pés da Sierra Nevada, é a porta de entrada a um dos maiores monumentos de toda a Espanha, Alhambra, que significa Castelo Vermelho em árabe. Antiga fortaleza e palácio, foi um complexo de fortificações dos monarcas islâmicos de Granada e também declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Construído a partir do século XI com influências muçulmadas, judaicas e cristãs é um dos monumentos mais emblemáticos do mundo e um dos mais visitados da Espanha. Merece horas e horas a fio de contemplações, assim como a exuberante vista do alto de suas colinas, local estratégico de guarda e de indiscutível beleza. A cidade de Granada fica a seus pés e dali de cima do Alhambra, o que os olhos avistarem, nunca mais sairá de sua cabeça.

Cores da Andaluzia

Relíquia Andaluz

Ale Ravagnani

Alter do Chão. A praia mais bonita do Brasil fica num rio

Num país com 8.000 kilômetros de costa, dizer que a praia mais bonita do Brasil fica num rio no meio da Amazônia é quase uma ironia. Não qu eu não seja fã de nossos praias, de norte a sul, só as favoritas não cabem nas duas mãos. São muitas top ten e quase sempre bastante distintas, ou seja, tem praia pra tudo quanto é gosto. Porém, o jornal britânico The Guardian, elegeu a praia de Alter do Chão situada na beira do Rio Tapajós na parte amazônica do Pará, como a mais bonita do Brasil e uma das dez praias mais bonitas do mundo.

Lago Verde no Rio Tapajós

Vila de Alter do Chão

Estive neste paraíso de água doce por uma semana, e não tinha a menor vontade de ir embora. Distante 30 Km de Santarém, a vila de Alter fica na margem direita do imenso Rio Tapajós, que é quase um mar de tão imenso e suas praias se formam após a época das chuvas, que vai de janeiro a maio. Entre os meses de setembro a janeiro, as praias de areia super brancas são formadas nas margens do rio. Além das belas praias, no período das cheias (que vai de março a agosto), podemos avistar a Vitória-Régia, uma das maiores plantas aquáticas do mundo. No período das águas baixas (que vai de setembro a fevereiro) as revoadas dos passáros são de perder o fôlego.

Ilha do Amor ainda submersa na cheia

Vista para o Rio Tapajós no Morro da Piroca

Muitas vezes chamada de Caribe brasileiro, ajuda a compor sua beleza a impressionante localização da praia, onde as águas do Tapajós formam o Lago Verde ou Lago dos Muiraquitãs. Seu cartão postal é a Ilha do Amor, onde se chega em meros 5 minutos de catraia, barquinhos equivalentes à nossos taxis, que se pode tomar no centrinho da Vila. Ao chegar na ilha, escolha o quiosque que achar mais agradável, peça seu peixe (pode ser um Pirarucu, Tucunaré ou a fantástica costela de Tambaqui) e combine o horário que deseja almoçar. Aí é só relaxar na praia, mergulhar ou alugar um caiaque para remar pelo Lago Verde. Vida difícil, não é? Quer ver tudo por outro ângulo? Então suba até o Morro da Piroca e depois de um pequeno trekking veja a grandiosidade do Tapajós visto do alto. Outros passeios imperdíveis são pela Floresta Nacional do Tapajós, a Flona, uma reserva florestal de 600 mil hectares repleta de florestas primárias, praias, comunidades e igarapés. A experiência de navegar num pequeno barco passando pelo Rio Amazonas parece completamente for a de cogitação, mas ali é possível. Além de encontrar uma fauna e flora únicas, chegamos na Comunidade Urucureá no Rio Arapiuns, famosa pelo colorido artesanato de palha. O almoço vinha do próprio rio que os barqueiros pescavam e assavam, e para dormir, nada mais que uma rede pendurada no barco. Não era preciso nada mais.

Uma observação: o restaurante mais badalado do Brasil, o D.O.M., é considerado o sétimo melhor do mundo e grande parte dos ingredientes de seus deliciosos e intrigantes pratos vem do Pará.

Por do sol privilegiado visto de Alter do Chão

Passeio em barco Amazônico

Nossa casa por 2 dias no Rio Jari

Projeto peixe-boi

Projeto peixe-boi

Em Santarém, cidade no meio do estado do Pará e equidistante de Manaus e Belém, não deixe de ver o encontro das águas do transparente Rio Tapajós com o barrento Rio Amazonas, que devido às suas diferentes densidades e velocidades das águas, fluem lado a lado sem se misturarem. Se sua escala da viagem for a cidade de Belém, não pense duas vezes em optar por parar ali e curtir alguns dias. Seja pelos contrastes, pela culinária, pelo Mercado Ver o Peso ou por tantos outros bons motivos desta bela cidade. Mas isto já é outra história que depois eu conto aqui.

Visão de camarote

Descobrindo o Mercado Ver o Peso, Belém

Mercado Ver o Peso, Belém

Ale Ravagnani