Onde é o quente do momento pra se ir no mundo

Os guias de viagem Lonely Planet, meu fiel escudeiro em muitas de minhas andanças pelo mundo, lança todos os anos o guia Best in Travel. São as melhores tendências, destinos, viagens e experiências que se pode encontrar no momento. Essas listas de destinos podem ser uma ótima ajuda se por acaso baixar aquela dúvida em escolher dentre tantos lugares no mundo. O Guia leva em conta uma série de fatores todos os anos ao eleger seus destinos favoritos, e aqui, junto com eles, elejo os meus também. Já estive em alguns destes lugares, e outros ainda são planos. Ah, e o Brasil este ano está no topo da lista e foi eleito um dos 10 melhores países para se conhecer.

A seguir algumas das listas que devem nos inspirar ao escolher onde ir.

TOP 10 – PAÍSES

Albânia
Brasil
Cabo Verde
Panamá
Bulgária
Vanuatu
Itália
Tanzânia
Síria
Japão

Zanzibar, Tanzânia

Monte Kilimanjaro, Tanzânia

Se eu fosse escolher um destes destinos para ir amanhã, a Tanzânia estaria no topo da minha lista. Imagina que num único lugar se encontra o Monte Kilimanjaro, as águas azuis da costa no Oceano Índico de Zanzibar e o parque de Serengueti com sua fauna sem igual no mundo e um dos safaris mais selvagens e excitentes que se pode fazer.

TOP 10 – REGIÕES

Sinai, Egito
Istria, Croacia
Ilhas Marquesas, Polinésia Francesa
Capadócia, Turquia
Ilhas Shetland, Escócia
Grande Barreira de Corais, Austrália
Costa Oeste, Estados Unidos (de Los Angeles a Seattle)
Patagônia Chilena
Ilhas Gili, Indonésia
Westfjords, Islândia

Capadócia, Turquia

Islândia

Aqui o páreo é duro para se escolher somente um destino. Minha dúvida seria entre optar pela região da Capadócia na Turquia, com suas impressionantes formações rochosas, seus hotéis-cavernas e os passeios de balão ou a Croácia, grande destino do turismo mundial atual, que mistura cidades medievais à beira de um mar translúcido ou os fiordes e geleiras da Islândia com suas imensas massas de gelo e muita vida selvagem em plena Europa, apesar de estar bastante isolada numa ilha.

TOP 10 – CIDADES

Nova York, estados Unidos
Tânger, Marrocos
Tel Aviv, Israel
Wellington, Nova Zelândia
Valência, Espanha
Iquitos, Peru
Ghent, Bélgica
Delhi, Índia
Newcastle, Austrália
Chiang Mai, Tailândia

Tânger, Marrocos

Chiang Mai, Tailândia

O Marrocos é uma grande experência que deve ser vivida devagar para conseguir assimilar tantas informações e novas sensações, e Tânger é o lugar para vivenciar o estilo marroquino, ainda mais se você ficar hospedado num hotel-Kasbah, que é definitivamente uma volta ao tempo.
Wellington na Nova Zelândia é a Inglaterra em plena Oceania, com cultura local mas com tempero inglês. E se a distância não for problema, a região de Chiang Mai na Tailândia convida para um safári no lombo de elefantes pelas montanhas mais altas do país, com uma vegetação estonteante, entremeada por muitos templos para sua viagem ser repleta de relaxamento e cultura zen.

TOP 10 – MELHORES CUSTO-BENEFÍCIO

Bangladesh
Nicarágua, América Central
Washington, Estados Unidos
Paris, França
Namíbia, sul da África
Argentina
Nápoles, Itália
Filipinas
Ucrânia
Síria

Deserto da Namíbia

Filipinas

Invista no que lhe parece o menos óbvio possível. Lembre-se que quanto mais somos jovem, mais fácil encaramos alguma falta de conforto e lugares com menos estruturas para receber o turista. A Namíbia não se encaixa tão bem nestas descrições, já que o país se estruturou bastante para o turismo, comparado a meu ver com sua vizinha África do Sul, apesar de toda a rusticidade das paisagens. Vá logo porque ainda não foi descoberto pelo mundo. As Filipinas é outro destino fora do grande circuito, mas cheio de surpresas. Praias e mais praias de areias tão brancas e imaculadas que vai ser difícil encontrar igual, e por fim a Síria guarda muita história apesar de ter vivido um regime pouco ortodoxo e bastante repressivo. Você vai encontrar muita história, uma comida extraordinária e um povo amistoso.

Ale Ravagnani

Anúncios

África do Sul essencial

Este é um país que vai surpreender você. De uma maneira ou de outra, vai te pegar de jeito. Se você é do tipo que gosta de natureza, a vida selvagem é um prato cheio, assim como a região da província do Cabo com suas belas praias e cenários ao ar livre. Mas se você aprecia um bom vinho, cidades charmosas, gente educada e um turismo altamente organizado, a região vinícola de colonização holandesa, próxima à Cidade do Cabo, definitivamente é a sua praia. E se você curte tudo isso e ainda gosta do melhor do que as grandes cidades oferecem, fique com tudo e não perca por nada a bela Cidade do Cabo. Aqui vou apresentar um resumo do melhor que o país pode oferecer a você. Programe-se porque não vão faltar lugares pra você conhecer, e ainda vai querer voltar.

Savana africana - Mabula Game Reserve

Girafas na reserva Mabula

Avestruz na beira do lodge do Mabula

JOHANNESBURG
A grande cidade da África do Sul é um lugar de grandes contrastes. Apesar de ser a porta de entrada do país, não a use como sua base. Fique o suficiente para dar uma olhada por cima e zarpe para novos portos. Faça um passeio pelo centro, mas de carro. O bairro de Sandown é o mais tranquilo e seguro, mas não se parece em nada com a aquela África que imaginamos. Acho que vale também um tour guiado pelo Soweto, é só não ir por conta própria. Há muitas empresas que fazem tour pelo local e te levam diretamente nos pontos mais estratégicos e históricos.

PRETORIA
Além de ser a sede do governo e ficar a pouco mais de 50 km de Johannesburg, acho que vale a pena passar um dia na cidade. Por ser a capital administrativa da África do Sul, diversos edifícios históricos e seus jardins compõe esta bela cidade. Union Buildings, Melrose House, Kruger House, entre outros devem fazer parte de seu city tour. Se você ainda não conseguiu fazer um safári bacana, vá ao zoológico da cidade. Tem um teleférico e você vê tudo por cima e no lado de fora tem uma feira de artesanato, com muita coisa de madeira esculpida, bonecos da tribo Masai, colares de contas coloridos e muito mais. Aliás, um item importantíssimo nesta viagem. Acho que nunca vi artesanatos tão bonitos e de tão bom gosto em nenhuma outra parte do mundo.

Artesanato em Pretoria

CIDADE DO CABO
É linda mesmo, além de muito agradável. Mas não deixe de alugar um carro. Muito melhor do que ficar pegando excursões, táxis e ônibus. É um lugar pra ser curtido, sem pressa, olhando o sol se por e sem ninguém nos apressando. Suba na Montanha da Mesa de bondinho pra curtir a vista estonteante lá de cima. Ainda dá para fazer algumas caminhadas, fazer picnic e com sorte, avistar um pouco de fauna. Lá embaixo, o Victoria & Albert Waterfront parece pega turista, mas é uma delícia. Na beira d`água, os leões marinhos são a grande atração. Os prédios antigos são lindos, com lojas e restaurantes bacanas e ainda um cinema Imax, daquele da tela gigante, onde a grande atração são os filmes sobre a fauna africana. Além disso, a cidade é bem gostosa e tem muito que fazer. O bairro malaio é interessante com suas casinhas coloridas e você não pode deixar de ir à Robben Island, que foi descoberta por Bartolomeu Dias e onde o Mandela ficou preso por 18 anos. Mas tem que agendar o barco com certa antecedência para se chegar até a esta ilha distante 11 km da cidade. Uma boa opção de hospedagem na Cidade do Cabo são os Bed & Breakfast, tradição inglesa de hospedagem onde uma família te recebe praticamente na casa deles. Fiquei em um super legal e bem localizado. Ele fica num casarão antigo lindo, a dona é ótima e tem um cachorrão que vira amigo de todo mundo, além de ter uma localização ótima, bem pertinho do pier.

Victoria & Albert Waterfront, Cidade do Cabo

Montanha da Mesa, Cidade do Cabo

PROVÍNCIA DO CABO
Apesar de ser uma região relativamente pequena, tem muita coisa pra se fazer, muita cidadezinha pitoresca no melhor estilo holandês, vinícolas, reservas ambientais à beira mar, região das flores selvagens (Protéia é a flor nacional e é da família das alcachofras) e até mesmo parques de animais selvagens como zebras e elefantes bem na costa (Zebra e Addo Elephant Park).

– Região dos Vinhos ou Cape Dutch
As principais cidades produtoras de bons vinhos são Stellenbosch, Paarl, Franschoek e Constantia. Além dos holandeses, os franceses também passaram por lá e deixaram marcas, como o monumento dos Huguenots franceses que foram para Franschoek em 1700. No geral, além de excelentes e consagrados vinhos, onde as principais vinícolas abrem suas sedes para oferecer degustações (normalmente gratuitas), repare na arquitetura e no cuidado que estas pequenas cidades tem com seus jardins, casas, restaurantes. Tudo é impecável e a África do Sul recebe como ninguém turistas do mundo inteiro.

Cidade de Stellenbosh

Cidade de Franschoek

Vinícola Fairview

– Cabo da Boa Esperança
Dá pra passar o dia por lá. É um parque e marca a “divisa” entre o Oceano Atlântico e o Índico. Logo no começo da entrada do parque, estacione o carro e espere os babuínos se aproximarem. Mas não dê comida porque eles são mais espertos e rápidos que a gente e normalmente estão esfomeados. De qualquer maneira, o parque da Boa Esperança é um ótimo lugar pra curtir a natureza e fazer ótimas caminhadas. Leve vinho, queijos e pães e faça seu picnic. Só não fique muito perto da macacada. Não muito longe de lá e a apenas 15 km de Cape Town, existe uma estrada chamada Chapman`s Peak Drive. É imperdível e as vistas são de tirar o fôlego. Algumas cidadezinhas lindas estão no seu caminho e é só ir parando também, como Hout Bay, Camps Bay e Simon`s Town, são charmosas e paradas obrigatórias na sua viagem. Também a partir do Cabo, sai a Garden Route. É um rota turística com várias cidades também interessantes e que valem serem visitadas. Este trecho é bastante organizado, com muita sinalização e informações históricas.

Dobrando o Cabo da Boa Esperança

Babuínos no Parque do Cabo da Boa Esperança

Praia de Simon`s Town

– Garden Route
Mossel Bay – onde o primeiro Europeu chegou na África, Bartolomeu Dias, e um pouco depois chegou o Vasco da Gama. Tem um museu bem bacana com a réplica da caravela.
George – outra cidade bonita e cenográfica.
Knysna – cidade da costa também e com uma lagoa linda. É um lugar pra lá de fotogênico, e se você gosta de ostra, o melhor lugar do mundo. O pôr do sol entre a logoa de Knysna e o mar é lindo.
Tsitsikamma National Park – fantástico! Fica a um pouco mais de 100 km da Cidade do Cabo, mas vale a pena. O visual é único, com suas pontes pencil para pedestres e trilhas demarcadas para trekking.
Jeffrey`s Bay – se surf é a sua onda, aqui é o lugar. São as maiores ondas do continente, mas a praia não é tudo isso pra quem fica olhando na areia. E aqui é o fim da Garden Route.

Por do sol na lagoa de Knysna

Knysna

O ponto extremo da África é o Cape Agulhas, região mais inóspita e agreste, e igualmente impressionante. Tem um farol daqueles de filme e parece um lugar perdido no nada. No caminho, tem um Museu do Naufrágio bem bacana, e acho que isso explica um pouco a localização de fim de mundo e de grandes tormentas para os navios. Dormimos ali perto num vilarejo de pescadores chamado Arniston, que foi tombado pelo Patrimônio Mundial. Suas casinhas estão intactas, todas pintadas de branco e alinhadas no penhasco debruçadas na praia. Outro lugar que acho que é por ali, é a cidade de Hermanus, onde as baleias ficam parte do tempo no ano, principalmente no inverno que coincide com o nosso.

Cape Agulhas

– Região do Karoo
É como eles chamam parte do interior na África do Sul, que já começa a ficar semi desértica. Apesar de ser relativamente perto da Província do Cabo, já muda toda a cara. A cidade de Oudstshoorn é a sede mundial dos avestruzes, e dá para visitar as fazendas, comer a carne da ave, que por sinal se parece bastante com carne vermelha, porém muito mais magra e saudável e até andar neles, mas esta parte a gente pula. Na passagem, as Cango Caves são cavernas imensas e muito bonitas e para dormir, pare no vilarejo de Matjiesfontein e tenha a sensação de voltar séculos atrás e de ser transportado para outra época.

Vilarejo de Matjiesfontein

Ale Ravagnani

Salvador busca renovação com hotelaria, gastronomia e arte

Sem dúvida alguma não faltam a Salvador motivos para uma ótima viagem. Muita história e cultura, um conjunto arquitetônico de fazer inveja, culinária e um faixa de mar esverdeado que atrai brasileiros, europeus e recebe todos como ninguém. Nos últimos tempos vem acontecendo uma renovação na cidade que deve ajudar a atrair um novo tipo de turista, que não é o acostumado a viajar em excursões e nem ficar hospedado em hotéis impessoais ou sem charme, mas que tenha estilo, personalidade e sem abrir mão do conforto. Mas Salvador vem se munindo de charme e se diferenciando até mesmo em suas mais novas atrações turísticas. Por exemplo o Museu Rodin instalado no Palacete das Artes é um grande avanço para a cidade e num feito único, a matriz de Paris topou ceder 62 peças. O prédio foi minuciosamente restaurado para abrigar as obras do artista e um anexo foi construído, trazendo um contraste da arquitetura antiga com a moderna na 1ª filial do museu mundo afora, que fica na imponente Rua da Graça.

Jardim do Museu Rodin

Obra de Rodin e o Palacete das Artes

Anexo do Museu Rodin

O Solar do Unhão é outra construção imperdível de Salvador e foi restaurado pela arquiteta Lina Bo Bardi abrigando o Museu de Arte Moderna. Vale visitar pela casa, pela vista da Baía de Todos os Santos, para ver a capela e pelo acervo, que tem obras internas e outras espalhadas pelos jardins, e uma coleção com Carybé, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Cândido Portinari, Siron Franco, entre mais de mil obras.

Solar do Unhão

Obra nos jardins do Solar do Unhão

Salvador vem dando uma guinada nas opções de hotéis e a restauração do Convento do Carmo, localizado na ladeira do Carmo trouxe o turista de volta para se hospedar no Pelourinho. O convento começou a ser erguido em 1586 e hoje abriga o melhor hotel da cidade e um dos melhores do Brasil, pertencente ao The Leading Hotels of the World. Se a conta for muito alta para seu bolso, passe lá para um descanso e um aperitivo como eu fiz. Eles servem a cerveja mais gelada da cidade e bolinhos de bacalhau imperdíveis. O café espresso, coisa rara no pedaço, e a volta ao tempo, são garantidos.

Hotel Pestana Convento do Carmo

Hotel Pestana Convento do Carmo

Hotel Pestana Convento do Carmo

Outra excelente opção no Pelourinho, e bem mais em conta é o charmoso Hotel Villa Bahia, ao lado da Igreja de São Francisco. Cada quarto é de um jeito diferente, trazendo decoração caprichada e muito conforto também, além dos quartos terem vista para a torre da Igreja que está ali ao lado. Ah, e o restaurante é comandado por premiado chef francês que faz uma mistura bacana com os ingredientes baianos. Fazendo um contraponto à tradição e localização em Salvador, o Zank Hotel em Rio Vermelho traz ares modernos perto da boemia soteropolitana. O elegante casarão foi ampliado com um anexo moderno trazendo um contraste muito bem vindo para a criação deste pequeno hotel. O branco predomina nos ambientes, o serviço é impecável e a piscina no último andar tem uma vista privilegiada.

Restaurante do Hotel Villa Bahia

Vista da varanda Hotel Villa Bahia

Zank Hotel

Detalhe do quarto Zank Hotel

Quer experimentar a reivenção da moqueca? Não deixe de conhecer o Paraíso Tropical no bairro do Cabula. Numa antiga rinha de galo, a casa rústica do restaurante fica no meio de um sítio com centenas de árvores e mais de 120 tipos de frutas, onde o também premiado chef Beto Pimentel prepara moquecas mais leves com ingredientes orgânicos e tudo colhido na hora que vai direto para a mesa. Vá com tempo e experimente as caipirinhas para não se irritar com a demora porque vale a pena. Agora se você quer jantar com a melhor vista da cidade ouvindo o barulho do mar, o lugar é o Amado, do chef Edinho Rangel, o mesmo do restaurante Manacá de Camburi no litoral de São Paulo. Melhor noite impossível e Salvador vai ficar na memória como a cidade mais antenada e gostosa do Brasil, pelo menos para quem está disposto a se aventurar e ir atrás do que não está só nos guias de viagem. Ale Ravagnani

Restaurante Paraíso Tropical

Frutas para 2! Restaurante Paraíso Tropical

Claustro da Igreja de S. Francisco, 1743

Obra de arte na rua

Igreja do Bonfim

Vendo a vida passar no Carmo

Brechó no Pelourinho

Achados de viagem

Tem gente que só viaja pra comprar. Eu viajo para conhecer, mas não resisto a um achado de alguma preciosidade, algo que representa o local, que é especial e não vou encontrar em mais nenhum outro lugar. Na volta, o objeto acaba sendo um elo entre a viagem e nossa vida terrena, e quase me transporto quando penso na história daquilo, volto a viajar novamente e o efeito é ainda mais forte que o de olhar uma fotografia. É trazer um pedacinho da viagem e do país comigo. Ale Ravagnani

Guias de lugares que já fui ou que ainda irei

Coleção de fósforos

Boneco de madeira de Burma

Luminária loja do MOMA, NY

Mão linhas da vida, mercado Camden Town, Londres

Trena da história da arte, Museu Reina Sofia, Madri

Enfeites vintage da cozinha, Centro Pompideau, Paris

Coleção de Flip Books

Azeite trufado da França

Cestaria da Amazônia, Pará

Toy Art, Malba, Buenos Aires

Escultura de madeira, Camboja

Quadro da Oficina de Agosto, Tiradentes

Cerâmica do Panamá

Pôster de filme do Jacques Tati, Paris

Chapéu de Londres

Esculturas em metal, México

Personagens Tim Burton, NY

Casal de ratos, Dublin

Carneiros da Patagônia, Argentina

Maple Syrup, Canadá

Escultura de papel, Montmartre, Paris

Fitas do Bonfim, Salvador

Kiwi, Nova Zelândia

Girafa, África do Sul

Pratos da Associação da Boa Lembrança, Gramado, RS

 

Sabores que valem uma viagem

Mexilhões com batatas fritas

Como um bom garfo, muitas de minhas memórias de viagens são gustativas. Ficaram numa boa mesa de restaurante ou numa simples refeição de rua. Um sabor marca pra sempre o lugar onde você está, a companhia, as histórias, a cidade. Quero dividir algumas lembranças que nunca mais saíram da minha cabeça, por mais trivial ou sofisticado que sejam. Aliás, uma ótima maneira de se viajar, é experimentando o que o povo local come. O chef-viajante Anthony Bourdain que diga! Ale Ravagnani

Moules com Fritas servido na panela no mercado das pulgas em Paris (Puces de Saint Ouen)

Hot Dog de rua em Nova York (mas prefira o kosher, que parece mais limpinho)

Ostras na beira da lagoa de Knysna perto da Cidade do Cabo

Bolinho de Polvo comido em pé nas ruas de Tóquio

– Qualquer refeição com frutos do mar, legumes e “pouca pimenta” (que já é muita) em Bangkok

– Picnic com pão, presunto parma e um pedaço de parmesão com uma taça de vinho na região do Brunello di Montalcino na Toscana

Centolla (caranguejo gigante) no sul do Chile

Cordeiro na brasa na Patagônia argentina ou chilena

Cerejas no verão na Espanha ou onde você encontrar na Europa (pelo tamanho e pelo preço de dar raiva)

Pastel de Belém saído do forno quentinho ao lado do Mosteiro dos Jerónimos em Lisboa

– Qualquer pedaço de torta em qualquer esquina de Viena

– Escolher um restaurante estrelado em Londres (se sobrar algumas Libras) no último dia de viagem

Pato no Tucupi do restaurante Lá em Casa em Belém

Frutos do Mar grelhados com frutas (também grelhadas) no Cruzeiro do Pescador na Praia da Pipa

Feijão cozido devagarinho no fogão a lenha do sítio do meu pai

– Qualquer comida de mãe na volta da viagem