Paris vs Nova York

Uma pitada de ironia e bom humor para retratar duas grandes cidades.

Nunca ninguém antes pensou em comparar duas metrópoles tão marcantes e únicas como Nova York e Paris, cada uma marcada por ícones fortes e caracterizados com muita personalidade, fazendo-as únicas e deleite de todo turista. O designer e diretor de arte Vahram Muratyan encontrou uma forma criativa e divertida de mostrar os aspectos cotidianos ao brincar com as duas cidades fazendo uma viagem pelas peculiaridades e marcando o comportamento dos parisienses e nova-iorquinos.

“Paris versus New York – A Tally of Two Cities”, que virou blog (www.parisvsnyc.blogspot.com) e livro estão recheadas de boas ilustrações que por si só são uma viagem pelas cidades e suas características que as tornam tão diferentes e antagônicas e ao mesmo tempo, ambas essenciais para o viajante.

As artes não costumam ser autoexplicativas, o que acaba exigindo algum conhecimento sobre aspectos das cidades. Para quem não as conhece, cada ilustração vira uma “city-tour” sobre a cultura e pelo dia-a-dia de cada cidade.

Bon voyage / Have a nice trip

Ale Ravagnani

Anúncios

São Paulo vista num voo panorâmico ou dos edifícios mais altos da cidade


Região do bairro do Sumaré e da Paulista

Edifício Itália no centro de São Paulo

Quase não conseguimos mais perceber a cidade. Seja pela pressa por que passamos por ela, seja pela alta concentração de tudo, de pessoas, carros, concreto e a dificuldade de separar o joio do trigo, a bagunça da boa arquitetura. Tudo é superlativo numa das maiores metrópoles do mundo e na maior cidade brasileira. Do alto conseguimos prestar atenção em detalhes que nosso dia a dia não permite, e melhor, o ângulo é único.

Se você não tiver oportunidade de fazer um voo panorâmico pela cidade, alguns outros pontos podem ajudar a ter aquela visão de tirar o fôlego, e ver aquele mar de prédios de cima e longe da multidão. No alto do 41º andar do Edifício Itália ou a 165 metros do chão, no centro da cidade, um jantar no Terraço Itália vale pela vista e hoje em dia também pela comida que recentemente foi renovada pelo chef italiano Samuele Oliva (ex-chef do restaurante Piselli). Outro lugar que vale tanto pela vista quanto pela refeição é o Arola Vintetres, do estrelado chef catalão Sergi Arola, que fica no alto do Hotel Tivoli Mofarrej, na região da Av. Paulista. Nesse caso a experiência gastronômica é tão elevada que quase se esquece de olhar pela janela para admirar os prédios da Paulista. E uma última opção, mas numa escala menor porém não menos bonita, o alto do Hotel Unique abriga um restaurante aberto também para quem não está hospedado, o Skye. Almoçar ou jantar à beira da piscina vermelha do hotel e emoldurado pela vista do Jardim Europa, um dos bairros residenciais mais arborizados de São Paulo, apresenta uma cidade numa escala muito mais acessível e menos agressiva. Seja qual for suas escolhas, São Paulo combina com uma boa refeição. Escolha pelos dois, começe com o voo e termine com um bom jantar.

Bairro do Brooklin e região da Berrini

Ponte Estaiada e o Rio Pinheiros

Shopping Market Place e Morumbi

Estação Elevatória no Rio Pinheiros

Esporte Clube Pinheiros

Ponte do Morumbi e ciclofaixa do Rio Pinheiros

Bairro do Morumbi

Auditório do Parque do Ibirapuera

Estádio e clube do Palmeiras

Igreja

Viaduto do Chá no Vale do Anhangabaú

Carga e Descarga

Tenda do Cirque du Soleil no Parque Villa Lobos

Rotatória

Playcenter

Auditório do Anhembi

Ale Ravagnani

Visitar Boston é matar as saudades da Inglaterra

A cidade de Boston, localizada no estado de Massachusetts na costa oeste americana, vem sendo negligenciada pelos turistas a muito tempo. Talvez seja pela proximidade com Nova York e suas inúmeras atrações, mas este não deveria ser o motivo de ser deixada tão de lado. Principalmente depois de passar pela sua vizinha Nova York, Boston acaba sendo o lugar ideal para para aquela descompressão de cidade grande, para sentir como é bom estar num lugar com alta qualidade de vida, onde as pessoas caminham sem pressa pelas ruas e o almoço não é um simples sanduíche comido em pé. Recentemente um enorme projeto urbano chamado de “Big Dig” colocou diversas vias expressas para debaixo da terra. Antes cortavam a cidade deixando-a pouco amigável, agora todo o trânsito pesado desapareceu de nossos olhos e depois de 12 anos de obras, entregou uma cidade muito mais amigável para o pedestre.

Longfellow Bridge no Charles River

O frio não espanta os esportes náuticos

Ponte antiga de Boston

Aportando na cidade

Não encare uma visita a Boston apenas como viagem de um dia, aquele típico bate e volta. Seja generoso e se puder não pense duas vezes em reservar uma semana inteira. Além de conhecer a cidade e um pouco do estado, conhecer sua redondeza e os estados vizinhos do Maine, Connecticut, New Hampshire e Rhode Island, especialmente se a época do ano for o outono, será uma viagem inesquecível. As folhas das árvores ficam amarelas e depois vermelhas cor de fogo completam um visual deslumbrante. Ali por perto ficam as famosas e ricas Cape Cod e Martha’s Vineyard, cidades aristocráticas a beira mar, Salem, que ficou famosa por suas histórias de bruxas no século XVII, entre muitos outros lugares especiais que fazem da região da Nova Inglaterra uma das mais bonitas dos Estados Unidos, com uma perfeita harmonia entre cidades históricas e natureza. Aliás, foi em Boston onde muito da história dos pioneiros que chegaram ao país começou. Fundada em 1630 pelos ingleses, também está ali perto na cidade de Cambridge a primeira universidade americana, Harvard e o M.I.T, considerado uma das melhores escolas de tecnologia do mundo.

Boston Old City Hall

Quincy Market

Quincy Market

Trinity Church

Jardim público de Boston

Faneuil Hall

Jardins de Boston

Em Boston, caminhando pela Freedom Trail você vai curtir o passado da cidade. O Museum of Fine Arts (MFA) e sua vasta coleção de arte, que passa por diversos períodos e estilos, prova que ali não faltam boas referências da história da arte também. Suas compras também não irão ficar nada a dever à vizinha famosa de Nova York, e ao invés de encontrar lojas e ruas congestionadas, aqui tudo parece ser mais civilizado e tranquilo. Na Newbury Street, além de arquitetura inglesa com seus prédios de tijolinho e uma bela rua arborizada, você encontra um comércio de primeira, passando por todas as marcas disputadas em toda cidade grande a achados fashions mais descolados. Termine com uma bela cerveja e boa conversa em um dos famosos pubs irlandeses. Boa cerveja local não falta para abastecer as torneiras. E como prato principal, procure um dos muitos restaurantes especializados na iguaria local, a lagosta. Além de deliciosa, não se acanhe com o medo que daria para quebrá-la. Pedindo com jeitinho para o garçon, eles dão um jeito na casca que num piscar de olhos já era. Bom apetite!

Influência inglesa na arquitetura

Prédio típico

Contrastes

Inspiração da era industrial

Bairro residencial

Encontrando espaço

Área revitalizada de Boston Harbor

Vista do Top of the Hub na Prudential Tower

Repondo as energias

Ale Ravagnani

Mônaco e Èze, entre o mar e as montanhas

O famoso principado de Mônaco e sua pequena vizinha medieval de Èze, são duas jóias do Sul da França, situadas entre a cidade de Nice e a fronteira com a Itália.

Obra do artista Anish Kapoor, praça do Cassino de Mônaco

Jardins do Cassino de Mônaco

Jardins do Cassino

Cassino de Mônaco

Restaurante de Alain Ducasse em Mônaco

Ruas de Mônaco

Ruas de Mônaco

Praça do Fort Antoine

Fort Antoine

Vista do porto de Mônaco

Um bom começo é dirigir pelas ruas de Mônaco e passar por onde segue o percurso do circuito mais famoso da Fórmula 1, ir de cima a baixo e perceber que a cidade está construída em penhascos e logo abaixo um mar de iates e transatlânticos no mais luxuoso porto de todos os mares. O que mais se percebe é que por onde quer que se ande, tudo está impecável, desde os jardins com suas fontes, passando pela arquitetura e limpeza da cidade. Restaurantes com os chefs mais estrelados do mundo e o cassino símbolo da cidade fazem dela a casa de muitos abonados das mais diversas nacionalidades, inclusive de alguns brasileiros. Tudo parece imaculado, mas ao mesmo tempo distantante dos simples mortais, turistas que passam o dia fotografando e voltando para sua jornada de viajante.

Entrada da Vila de Èze

Èze nas montanhas

Arredores de Èze

Praça e fonte em Èze

A noite caiu em Èze

Igreja Notre Dame de l’Assomption, Èze

Èze no topo da colina

Ruelas de Èze

Muros medievais de Èze

Mirante da Igreja

Contrastes

Pedra sobre pedra

A noite de Èze

Menos de 5 quilômetros de Mônaco, se chega à pequena vila medieval de Èze, situada na Riviera Francesa e apesar de colada na sua vizinha rica, deixa a badalação e ostentação de lado para nos fazer voltar o tempo de milhares de anos de sua história. Perder-se por suas vielas e de repente se deparar com hora de frente para o mar, distante algumas centenas de metros dali, hora para as montanhas, onde estão os Alpes Marítimos que se debruçam praticamente sobre o Mediterrâneo, é colirio para os olhos na certa. Apesar de seu reduzido tamanho, guarda algumas pequenas jóias, como a Igreja Notre Dame de l’Assomption construída em 1764, a Capela de la Sainte Croix, de 1306 e o Jardim Botânico d`Èze com suas vistas panorâmicas bem nos penhascos. Além disso, uma das mais antigas fábricas de perfume da França está ali, a Fragonard. Não deixe de visitar e provar os aromas típicos do Sul da França e da Provence, que está logo ali, como a lavanda, flor de laranjeira e a verbena.

Mas não vá embora antes que a noite caia e uma outra cidade tome seu lugar. Grande parte dos turistas vão embora e a cidade está ali para ser descoberta através de sua iluminação amarelada e vielas escondidas. Você está praticamente num cenário de filme de época, distante de qualquer referência das cidades atuais, e se possível passe a noite ali e faça da viagem uma segunda lua de mel. Apesar de poucas opções para jantar, vai ser fácil encontrar um lugar que vai ficar para sempre na sua memória e entrar na lista dos mais inesquecíveis. Não sei se pelo clima do lugar, pelo cenário, pela oferta dos ingredientes frescos franceses, pelo vinho maravilhoso, pela noite de verão, pela companhia ou se pela soma disto tudo e mais um pouco.

Ale Ravagnani

 

Dia de Feira na França

Toda boa refeição na França começa na feira.

Marché Forville em Cannes, sul da França

Do mar para a mesa, Cannes

Ladurée e o macaron de flor de laranjeira

A tradição da gastronomia francesa vem de muito, muito tempo. Os chefs são considerados estrelas desde os tempos do grande cozinheiro Antoine Carême que viveu no século XVIII, no auge da Revolução Francesa e ficou conhecido como o “chef dos reis e o rei dos chefs”. Em sua vida, serviu Napoleão e depois de sua queda, Carême foi para Londres e trabalhou como chef de cuisine para o Príncipe Regente, George IV. Retornando ao continente, serviu ao Czar Alexander I em São Petersburgo, antes de retornar à Paris, onde trabalhou como chef para o banqueiro James Mayer Rothschild. Ele é lembrado como o fundador do conceito de alta gastronomia.

O grande chef Antoine Carême

Criações de Carême

Mas o que desde aqueles tempos era falado? Que toda grande gastronomia começa com bons ingredientes, e isso na França é da mais pura verdade e importância. Um dia num mercado francês, é uma viagem pela gastronomia, com os ingredientes mais bonitos que se pode encontrar, tudo muito fresco e vindo direto do produtor. É colírio para os olhos, de quem gosta de cozinhar ou somente para aqueles que apreciam uma boa refeição e sabem como é importante a base de tudo. Mas olhando toda a variedade e qualidade dos produtos, percebemos a herança que o povo francês carrega. É quase uma devoção ir ao mercado e escolher o que de mais fresco chegou para ser servido à noite em casa. E não estamos somente das grandes cidades. Praticamente qualquer cidade francesa tem sua feira livre onde todos os dias os ingredientes para uma grande refeição os esperam para irem para a panela. São tantas variedades, tantos cogumelos diferentes, trufas negras, tomates dos mais diversos tipos e cores, queijos e até uma simples abobrinha em flor se torna uma iguaria aos olhos de quem gosta de comer bem. E isso na França é levado tão a sério que faz parte da identidade nacional. E pela culinária se começa e se encerra uma grande viagem pelo ícone mundial da boa comida, seja ela feita pelas criações de um grande chef com estrelas Michelin ou por uma simples dona de casa que vem seguindo receitas que passaram de geração em geração. Bon appétit!

Ale Ravagnani

Londres, suas ruas e sua personalidade

Londres se conhece caminhando por suas ruas. Não é preciso muito mais para dizer que se conhece bem a cidade, porque sua verdadeira alma é formada por quem as habita, tal diversidade se encontra pela frente. Andar por suas ruas é voltar ao tempo, e ao mesmo tempo, pode ser um adiantar dos ponteiros do relógio, é ir para a Índia, para a Turquia, é visitar o Nepal, e dar a volta ao mundo em poucos passos. É pensar que a cidade recebe a todos de braços abertos e os respeita como são.

A sensação de liberdade que se tem em Londres é única e em nenhuma outra metrópole do mundo você se sente tão cidadão do mundo, de um novo mundo que só Londres sabe receber e aceitar. E, o mais importante, poucos são os bairros dos guetos ou das minorias. As pessoas se mesclam umas às outras, o que torna a paisagem urbana única e diferenciada, seja onde você estiver. Não tem barreira religiosa, de raça ou de opção sexual. A coexistência é uma realidade num mundo em que muito frequentemente se questionam as fronteiras e barreiras impostas por onde nascemos, nos restringindo onde não escolhemos que ali seriam nossas casas. Mas aqui isto não vem ao caso.

Isto não vem de hoje. Os ingleses foram grandes desbravadores dos chamados  velho e novo mundo. Chegaram na África, Índia, China, Austrália, entre muitos outros países, e agora é a vez de retribuir, de ter um olhar diferente com os entrangeiros. E pensar que quase um terço da população é formada por gente de fora, só se atesta o que nossos olhos constatam caminhando pela cidade.

Este foi o resumo de três lindos dias do verão de Londres que gostaria de compartilhar com vocês.

Vergonha de que?

Posando na Tower Bridge

Free Tibet

Se sentindo em casa

Estátua humana

Thank you my lady

Transporte alternativo

Semana de Wimbledon na Tate Modern

Elegância inglesa

Dia do rosa

Pra onde ele foi?

Tâmisa e a Tower Bridge

O último dos moicanos em Camden Town

Trabalho de cachorro

Pausa para o descanso

Quebrando a monotonia

Picadilly Circus

Soho Square

Vergonha de que 2?

Oxford Street

Domingo em Covent Garden

Uma moeda por um abraço

Berimbau

Mordida dos peixinhos em Camden Town

Domingo de sol em Camden Lock

Voltando no tempo em Covent Garden

Ale Ravagnani

África do Sul essencial

Este é um país que vai surpreender você. De uma maneira ou de outra, vai te pegar de jeito. Se você é do tipo que gosta de natureza, a vida selvagem é um prato cheio, assim como a região da província do Cabo com suas belas praias e cenários ao ar livre. Mas se você aprecia um bom vinho, cidades charmosas, gente educada e um turismo altamente organizado, a região vinícola de colonização holandesa, próxima à Cidade do Cabo, definitivamente é a sua praia. E se você curte tudo isso e ainda gosta do melhor do que as grandes cidades oferecem, fique com tudo e não perca por nada a bela Cidade do Cabo. Aqui vou apresentar um resumo do melhor que o país pode oferecer a você. Programe-se porque não vão faltar lugares pra você conhecer, e ainda vai querer voltar.

Savana africana - Mabula Game Reserve

Girafas na reserva Mabula

Avestruz na beira do lodge do Mabula

JOHANNESBURG
A grande cidade da África do Sul é um lugar de grandes contrastes. Apesar de ser a porta de entrada do país, não a use como sua base. Fique o suficiente para dar uma olhada por cima e zarpe para novos portos. Faça um passeio pelo centro, mas de carro. O bairro de Sandown é o mais tranquilo e seguro, mas não se parece em nada com a aquela África que imaginamos. Acho que vale também um tour guiado pelo Soweto, é só não ir por conta própria. Há muitas empresas que fazem tour pelo local e te levam diretamente nos pontos mais estratégicos e históricos.

PRETORIA
Além de ser a sede do governo e ficar a pouco mais de 50 km de Johannesburg, acho que vale a pena passar um dia na cidade. Por ser a capital administrativa da África do Sul, diversos edifícios históricos e seus jardins compõe esta bela cidade. Union Buildings, Melrose House, Kruger House, entre outros devem fazer parte de seu city tour. Se você ainda não conseguiu fazer um safári bacana, vá ao zoológico da cidade. Tem um teleférico e você vê tudo por cima e no lado de fora tem uma feira de artesanato, com muita coisa de madeira esculpida, bonecos da tribo Masai, colares de contas coloridos e muito mais. Aliás, um item importantíssimo nesta viagem. Acho que nunca vi artesanatos tão bonitos e de tão bom gosto em nenhuma outra parte do mundo.

Artesanato em Pretoria

CIDADE DO CABO
É linda mesmo, além de muito agradável. Mas não deixe de alugar um carro. Muito melhor do que ficar pegando excursões, táxis e ônibus. É um lugar pra ser curtido, sem pressa, olhando o sol se por e sem ninguém nos apressando. Suba na Montanha da Mesa de bondinho pra curtir a vista estonteante lá de cima. Ainda dá para fazer algumas caminhadas, fazer picnic e com sorte, avistar um pouco de fauna. Lá embaixo, o Victoria & Albert Waterfront parece pega turista, mas é uma delícia. Na beira d`água, os leões marinhos são a grande atração. Os prédios antigos são lindos, com lojas e restaurantes bacanas e ainda um cinema Imax, daquele da tela gigante, onde a grande atração são os filmes sobre a fauna africana. Além disso, a cidade é bem gostosa e tem muito que fazer. O bairro malaio é interessante com suas casinhas coloridas e você não pode deixar de ir à Robben Island, que foi descoberta por Bartolomeu Dias e onde o Mandela ficou preso por 18 anos. Mas tem que agendar o barco com certa antecedência para se chegar até a esta ilha distante 11 km da cidade. Uma boa opção de hospedagem na Cidade do Cabo são os Bed & Breakfast, tradição inglesa de hospedagem onde uma família te recebe praticamente na casa deles. Fiquei em um super legal e bem localizado. Ele fica num casarão antigo lindo, a dona é ótima e tem um cachorrão que vira amigo de todo mundo, além de ter uma localização ótima, bem pertinho do pier.

Victoria & Albert Waterfront, Cidade do Cabo

Montanha da Mesa, Cidade do Cabo

PROVÍNCIA DO CABO
Apesar de ser uma região relativamente pequena, tem muita coisa pra se fazer, muita cidadezinha pitoresca no melhor estilo holandês, vinícolas, reservas ambientais à beira mar, região das flores selvagens (Protéia é a flor nacional e é da família das alcachofras) e até mesmo parques de animais selvagens como zebras e elefantes bem na costa (Zebra e Addo Elephant Park).

– Região dos Vinhos ou Cape Dutch
As principais cidades produtoras de bons vinhos são Stellenbosch, Paarl, Franschoek e Constantia. Além dos holandeses, os franceses também passaram por lá e deixaram marcas, como o monumento dos Huguenots franceses que foram para Franschoek em 1700. No geral, além de excelentes e consagrados vinhos, onde as principais vinícolas abrem suas sedes para oferecer degustações (normalmente gratuitas), repare na arquitetura e no cuidado que estas pequenas cidades tem com seus jardins, casas, restaurantes. Tudo é impecável e a África do Sul recebe como ninguém turistas do mundo inteiro.

Cidade de Stellenbosh

Cidade de Franschoek

Vinícola Fairview

– Cabo da Boa Esperança
Dá pra passar o dia por lá. É um parque e marca a “divisa” entre o Oceano Atlântico e o Índico. Logo no começo da entrada do parque, estacione o carro e espere os babuínos se aproximarem. Mas não dê comida porque eles são mais espertos e rápidos que a gente e normalmente estão esfomeados. De qualquer maneira, o parque da Boa Esperança é um ótimo lugar pra curtir a natureza e fazer ótimas caminhadas. Leve vinho, queijos e pães e faça seu picnic. Só não fique muito perto da macacada. Não muito longe de lá e a apenas 15 km de Cape Town, existe uma estrada chamada Chapman`s Peak Drive. É imperdível e as vistas são de tirar o fôlego. Algumas cidadezinhas lindas estão no seu caminho e é só ir parando também, como Hout Bay, Camps Bay e Simon`s Town, são charmosas e paradas obrigatórias na sua viagem. Também a partir do Cabo, sai a Garden Route. É um rota turística com várias cidades também interessantes e que valem serem visitadas. Este trecho é bastante organizado, com muita sinalização e informações históricas.

Dobrando o Cabo da Boa Esperança

Babuínos no Parque do Cabo da Boa Esperança

Praia de Simon`s Town

– Garden Route
Mossel Bay – onde o primeiro Europeu chegou na África, Bartolomeu Dias, e um pouco depois chegou o Vasco da Gama. Tem um museu bem bacana com a réplica da caravela.
George – outra cidade bonita e cenográfica.
Knysna – cidade da costa também e com uma lagoa linda. É um lugar pra lá de fotogênico, e se você gosta de ostra, o melhor lugar do mundo. O pôr do sol entre a logoa de Knysna e o mar é lindo.
Tsitsikamma National Park – fantástico! Fica a um pouco mais de 100 km da Cidade do Cabo, mas vale a pena. O visual é único, com suas pontes pencil para pedestres e trilhas demarcadas para trekking.
Jeffrey`s Bay – se surf é a sua onda, aqui é o lugar. São as maiores ondas do continente, mas a praia não é tudo isso pra quem fica olhando na areia. E aqui é o fim da Garden Route.

Por do sol na lagoa de Knysna

Knysna

O ponto extremo da África é o Cape Agulhas, região mais inóspita e agreste, e igualmente impressionante. Tem um farol daqueles de filme e parece um lugar perdido no nada. No caminho, tem um Museu do Naufrágio bem bacana, e acho que isso explica um pouco a localização de fim de mundo e de grandes tormentas para os navios. Dormimos ali perto num vilarejo de pescadores chamado Arniston, que foi tombado pelo Patrimônio Mundial. Suas casinhas estão intactas, todas pintadas de branco e alinhadas no penhasco debruçadas na praia. Outro lugar que acho que é por ali, é a cidade de Hermanus, onde as baleias ficam parte do tempo no ano, principalmente no inverno que coincide com o nosso.

Cape Agulhas

– Região do Karoo
É como eles chamam parte do interior na África do Sul, que já começa a ficar semi desértica. Apesar de ser relativamente perto da Província do Cabo, já muda toda a cara. A cidade de Oudstshoorn é a sede mundial dos avestruzes, e dá para visitar as fazendas, comer a carne da ave, que por sinal se parece bastante com carne vermelha, porém muito mais magra e saudável e até andar neles, mas esta parte a gente pula. Na passagem, as Cango Caves são cavernas imensas e muito bonitas e para dormir, pare no vilarejo de Matjiesfontein e tenha a sensação de voltar séculos atrás e de ser transportado para outra época.

Vilarejo de Matjiesfontein

Ale Ravagnani