Patagônia Argentina é logo ali. E você, não vai?

Trânsito típico da Patagônia

Mais uma vez vou falar sobre um dos lugares mais fascinantes da terra, e só de pensar que o país é nosso vizinho, já dá vontade de voltar. Estive lá em 3 oportunidades e todas foram fascinantes, vi coisas diferentes e posso afirmar que voltaria ainda outras vezes. Antigamente eu não queria voltar para um mesmo lugar mais de uma vez, mas depois quando você começa a ficar mais seletivo é que se percebe que voltar para um lugar que se gostou muito, é voltar para fazer novas descobertas e redescobrir o lugar, e quando falo de um lugar como o sul da Patagônia, bem na pontinha da América do Sul, sempre haverão surpresas, novos caminhos e descobertas. Diferente de Torres del Paine no Chile, aqui saímos na vantagem pela facilidade de chegar. De Buenos Aires ou Santiago, pega-se um voo direto para El Calafate, cidadezinha muito agradável e base para muitas explorações.

Navegação no Lago Argentino

Côndor, a maior ave da terra

Canal bloqueado por icebergs

Língua de gelo do Glaciar Spegazzini

Gelo à vista!

Paredão de gelo do Perito Moreno

"Caverna" no Perito Moreno

A maior de todas as aventuras é o Parque Los Glaciares e a geleira monumental Perito Moreno. Ela é tão grande e o paredão de gelo que se forma na beira do lago tão alto, que parecemos ínfimos nessa maravilha da natureza. Se está derretendo, provavelmente sim. Não é à toa que muito frequentemente ouvimos estrondos do gelo que vão se desprendendo e caem no lago formando ondas bastante altas. Em aproximadamente 1 hora, numa viagem por uma boa estrada, se chega ao glaciar e as opções dos passeios são muitas. Pelas passarelas, que ficam em uma península bem em frente, se tem uma visão privilegiada em diversos pontos e podemos visitá-la caminhando em terreno firme. Também se pode caminhar sobre o glaciar, munido de grampões e guia especializado. Saindo de barco de El Calafate, também se chega no mesmo lugar, mas por uma viagem pelo Lago Argentino e seu azul quase irreal. No percurso, montanhas dos dois lados e a passagem pelo canal dos icebergs, com suas inúmeras formas, tamanhos e cores até chegar Glaciar Spegazzini e no Onelli, menores que o Perito, mas também impressionantes. A empresa operadora do barco também prometeu parada no Glaciar Upsala, outro gigante do gelo, mas o caminho estava praticamente fechado pelos icebergs e foi impossível chegar perto. Vimos só mesmo de longe e aí acreditamos no aquecimento global e seus efeitos imediatos. Apesar da viagem ser longa, é uma experiência inesquecível e o barco, aliás muito confortável, passa praticamente raspando pelo gelo. A disputa no deck para fotografar é grande, mas você vai ficar tão hipnotizado pela paisagem surreal que nem vai ligar. De volta a El Calafate, invista numa boa churrascaria para provar muita carne argentina e o verdadeiro cordeiro patagônico. Diferente do Chile ou das cidades costeiras, aqui o forte são as carnes. A Casimiro Biguá não nos decepcionou e nossas noites eram a base de um bom Malbec para esquentar as noites frias do curto verão patagônico. Ou seja, pense bem no mês de sua viagem. Para dormir na cidade, são inúmeras as opções, desde hotéis a pequenas hospedarias. Nas duas vezes que estivemos na cidade, optamos pelos chalés Santa Mônica Aparts. Fica bem localizado, perto de tudo e os chalés no estilo “log house” são um charme.

Chegada em El Chaltén

Fitz Roy no meio das nuvens

Glaciar Viedma

Glaciar Viedma

Glaciar Viedma

Se você está buscando um visual ainda mais selvagem e realmente isolado do mundo, siga para El Chaltén para ver uma das montanhas mais impressionantes da região. O Fitz Roy é quase um prêmio para trekkers e andarilhos do mundo inteiro que escolhem para suas caminhadas de dias no meio da natureza selvagem. O visual das montanhas é bastante parecido com o de Torres del Paine, com formações pontiagudas e algumas geleiras penduradas nas entranhas de seus picos rochosos. O pequeno vilarejo de Chaltén é bem simpatico, mas a impressão é que se chegou no fim do mundo. Muitas vezes a simples tarefa de andar é quase impossível, dada a velocidade do vento. Além de muita caminhada no meio da natureza, o Lago Viedma e a geleira de mesmo nome está ali não muito distante. Chegando no porto, toma-se uma embarcação de menor porte que em El Calafate para chegar na beira do glaciar. Até pensei que seria mais do mesmo, o mesmo tipo de formação das outras geleiras, mas apesar dela não ser muito grande, pelo menos a parte que está acessível aos nossos olhos, o contraste com o azul da água, a coloração do gelo e o tom amarronzado único das pedras transforma o momento numa viagem inesquecível. Pode se preparar para chacoalhar no barco e sentir a força do vento, mas não vai dar pra se arrepender.

Paisagem de El Chaltén

Fim do dia no Lago Argentino

A minha viagem termina por aqui, mas já está na cabeça novas andanças, desta vez chegando até Ushuaia. Também está na pauta a viagem que fiz para a Patagônia mais central, tanto no Chile quanto na Argentina. Essa viagem começa em Bariloche, desce até onde ainda existe Estrada, cruzamos a cordilheira dos Andes para entrar no Chile e subimos até Puerto Montt. Tudo isso de carro pela Carretera Austral. Mas isso é uma outra história que depois eu conto. Ale Ravagnani

Anúncios

Nova Zelândia. Aqui se vive de adrenalina

Como um país tão pequeno, rodeado pela natureza e isolado na Oceania pode ter tanta vocação para a adrenalina? Talvez pra quebrar a monotonia ou simplesmente pra dizer para o resto do mundo, “Ei, eu existo”, mas o mais importante é que eles conseguiram. Ou talvez seja uma estratégia de posicionamento de algum marqueteiro em encontrar sua real vocação. E eles conseguiram e chamaram a atenção de corajosos do mundo inteiro que sonharam em experimentar tudo aquilo e mais um pouco. Ou até mesmo os jovens de espírito como eu, que em férias no país vizinho da Austrália, terra dos kiwis, do Senhor dos Anéis, do time de rugby All Blacks e de tantas outras coisas diferentes, voltamos no tempo e na nossa idade. A Nova Zelândia é dividida entre a ilha do Norte e a ilha do Sul, e de norte a sul a adrenalina está por toda parte. Qualquer viagem ao país começa na capital Auckland e subir na torre mais alta do país, a Sky Tower, já dá frio na barriga e a vista da cidade é de tirar o fôlego. A região de Taupo e suas montanhas é o lugar ideal para paragliding, asa delta, paraquedismo e tudo mais que voa. Pertinho dali, em Rotorua, uma das cidades com maior atividade vulcânica do país, denuncia onde estamos antes mesmo de chegar. O cheiro de enxofre no ar está por toda parte e caminhar pelas passarelas no meio de lagoas termais, piscinas de lama borbulhantes, geysers e mini-vulcões indicam que logo ali embaixo da terra alguma coisa está acontecendo.

Preparação do Balão, Ilha do Sul

Nosso balão no ar na visão de outro balão

Lake Matheson e o Mount Cook ao fundo

Mas pé na estrada que ainda tem chão. Chegando em Christchurch, cidade típica da colonização inglesa já na ilha do Sul, começamos de um jeito mais light, com um passeio de balão para ver os Alpes do Sul onde fica maior montanha do país, a Mount Cook, com quase 4 mil metros de altura. Tudo depende do clima, do vento e da previsão na manhã da partida e uma confirmação por telefone é que vai definir a saída ainda na madrugada. Chegando ao lugar, com o balão na caçamba do carro, ajudamos na montagem e um pequeno balão meteorológico define pra que lado seguir, ou melhor, pra que lado o vento vai nos levar. Todos sobem no cesto de vime rapidamente pra não ficar pra trás e uma vez lá em cima, tudo vai ficando pequeno lá embaixo e o silêncio impera, só quebrado pelo barulho do ar quente enchendo o balão ou por um telefone celular que de repente toca lá nas alturas. No alto não percebemos a velocidade do vento e quando estamos descendo e vamos nos aproximando do chão é que vemos a real velocidade e ao tocar no solo, que em nosso caso tinham muitas pedras, deu o tom radical do passeio com o cesto virando e terminando nosso voo de maneira repentina e engraçada, com os 5 passageiros e o piloto deitados no chão. Mas valeu cada segundo e cada centavo da viagem.

Bungy Jump na ponte Kawarau, Queenstown

Cidade de Queenstown, Ilha do Sul

A parada seguinte foi a cidade de Queenstown, a principal meca dos esportes radicais do país. O início da experiência foi conhecer o primeiro bungy jump do mundo na ponte Kawarau, criado em 1988 por A J Hackett. Fui o último louco do dia a me atirar da ponte e mesmo sem coragem resolvi me desafiar. Quase desisti depois de tudo acertado, mas o meu instrutor disse que daquele ponto não tinha mais volta. Olhei pra frente, respirei fundo e fui. Acho que só voltei a respirar quando senti a corda se esticando nos meus tornozelos e vi que não afundei no rio semi-congelado. Um pequeno barco me resgatou e me deixou na margem e quase sem força pra subir de volta e com as pernas bambas, estava vivenciando o poder da descarga de adrenalina no corpo. Vale lembrar que a altura deste bungy jump “tem só” 43 metros de altura, e hoje em dia o mais alto tem 143 metros de altura!

Fox Glaciar visto do alto

Chegada do helicóptero no Fox Glaciar

Trekking no Fox Glaciar

Cavernas no gelo

No dia seguinte foi a hora de conhecer um dos glaciares do país, mas de maneira diferente. Subimos num helicóptero e rumamos à montanha. Lá, antes de pousar, nossa guia pula com o aparelho ainda no ar e faz sulcos no gelo para dar maior aderência para não patinar no pouso. Depois de alguns minutos finalmente pousamos, mas o helicóptero ainda derrapa consideravelmente. Nosso trekking no alto do Glaciar Fox começa e com um grupo de 9 pessoas atravessamos fendas enormes, passamos por cavernas de um gelo azul sem igual e vamos tentando manter o equilíbrio de marinheiros de primeira viagem sobre o gelo espesso de milhares de anos. Graças aos sapatos com grampões, nossos sticks para caminhada e de vez em quando o apoio de uma corda, subimos montanha acima nessa aventura pelo gelo. Do alto, vemos o mar que está a poucos quilômetros. Esse é um dos poucos glaciares que está praticamente ao nível do mar. Na volta, nossa guia chama o helicóptero pelo rádio, apesar da comunicação ser difícil e quase já sem luz do dia, ele nos resgata e nos leva de volta sãos e salvos ao pequeno vilarejo.

Jet Boat no rio Shotover, Queenstown

Dia seguinte, nova aventura. Andar nos rios de água de degelo em grande velocidade com barcos de alta propulsão chamado Jet Boat é uma das maiores aventuras de Queenstown. O grande barato são as finas que nosso piloto tirava dos paredões do canyon no rio Shotover ou sem medo passa por cima de bancos de areia e galhos secos. Quando víamos o sinal que o piloto fazia com as mãos, atenção redobrada e os braços colavam para se segurar e se apoiar porque cavalo de pau e um giro de 360º vinham pela frente. É quase uma montanha russa sem trilhos ou rota definida num dos rios de cor azul esverdeado mais bonito que eu já vi. No extremo sul da ilha, os fiordes de Milford Sound em Te Anau chamam para uma exploração de barco ou para caminhadas com um cenário deslumbrante com cachoeiras altíssimas e uma das maravilhas da natureza do mundo. Pra quem ainda tiver fôlego, novos esportes estão sempre surgindo. Basta você descobrir qual é o seu. Se você não for tão radical, vá para a Nova Zelândia assim mesmo. A beleza natural do país é tão linda e as cidades tão acolhedoras, e a infra estrutura do país tão perfeita, que agradam a gregos, troianos, radicais ou sedentários. Ale Ravagnani

Rota Ecológica de Alagoas

Praia de Japaratinga vista da Pousada do Alto

Pousada do Alto, Japaratinga

Pousada do Alto, Japaratinga

O trecho do litoral alagoano, que fica entre Maragogi e Barra de Santo Antônio ainda é uma parte do litoral do Brasil que não sofreu o boom imobiliário e nem a onda de resorts que vem sendo erguidos por toda a orla do Nordeste. Praias e mais praias desertas e inexploradas, com apenas uma ou outra pousada e poucas casas emolduram um mar azul esverdeado que mesmo num dia nublado é claro e imaculado. São cerca de 40 km de praias que devem ser descobertas dirigindo e parando naquela que mais lhe agradar. A vontade acaba sendo em escolher uma das excelentes pousadas e ficar por ali relaxando sem a menor pressa. A nossa escolhida foi a bela Pousada do Alto, que claro, fica no alto de uma montanha-falésia à beira da praia de Japaratinga, e que é infinitamente mais bela de cima do que de baixo. A vista é de perder o fôlego, e o conforto da pousada convida para relaxar à beira da piscina de fundo infinito com a melhor vista do nosso litoral e quem sabe do mundo! Exageros à parte, vá ver de perto a Praia da Lage, que tem aquela forma quando imaginamos uma praia perfeita, além de formar uma baía linda, os coqueiros emolduram um mar de cor única. Para se hospedar por ali, a Aldeia Beijupirá é uma excelente opção, com conforto, charme e o restaurante Beijupirá, que também é aberto a não-hóspedes e já provou que sabe fazer culinária de primeira com um toque de nordeste também em Porto de Galinhas e na Praia dos Carneiros no litoral de Pernambuco.

Praia da Lage

Outra praia para se ver e ficar, é a Praia do Toque, também pouco explorada e como a maior parte deste pedacinho de paraíso, vem crescendo pouco, mas com muito charme. Vários estrangeiros vem investindo em hotelaria, mas sem os grandes grupos que acabam fechando a praia inteira e fazendo ali seu quintal particular. A Pousada do Toque é uma das mais bonitas do Brasil, mas prepare o bolso, já a Pousada do Caju, a Amendoeira e a Côté Sud também são excelentes e mais acessíveis. Se não estiver hospedado numa delas, comer o bacalhau no Caju é um programão depois de um dia de sol. Os portugueses que tocam a pousada trouxeram o melhor da terrinha pra gente. Outra praia muito gostosa é São Miguel dos Milagres. Ela surge quase que como uma miragem e caminhar por ali, passando de praia em praia, é uma benção para os olhos e para a alma, quase um milagre de nosso litoral já tão movimentado. Mais alguns passeios que devem ser feitos são as piscinas naturais, que estão nas praias do Toque, Patacho, Japaratinga e Porto da Rua e também visitar Tatuamunha e subir o rio para ver os peixes-bois que vivem no mangue. Além dos bichinhos que são uma grande atração, o por do sol é lindo.

Visual de Japaratinga

Farol em Porto de Pedras

O inglês reinventado da balsa

Varal

Parque Yellowstone. O Zé Colméia mora aqui

Juro que desta vez vou tentar falar menos e mostrar mais. O parque Yellowstone dispensa muito blá blá blá para descrevê-lo. Basta ver as imagens para se dar conta disso. As cores parecem que foram mexidas no photoshop de tão fortes e improváveis que são. É uma região de extremos dos Estados Unidos, começando pela localização no estado de Wyoming, lá em cima quase no Canadá e fronteira com Montana, Utah e Idaho.

Jackson, Wyoming. De volta ao velho oeste

Entrada do parque nacional Grand Teton, Wyoming

As grand tetons, do parque de mesmo nome criado em 1929

Cuidado com os ursos!

Bald Eagle, águia símbolo do país

Vista do Jackson Lake, Grand Teton

Tudo começa na cidade de Jackson, no verão porta de entrada dos parques e no inverno uma das melhores neves para esquiar. Dirija do aeroporto de Salt Lake City, sim a cidade além de ser famosa pelos mormons, fica à beira de um grande lago de sal, e pare por uma ou duas noites em Jackson para conhecer o Parque Grand Teton com suas montanhas altíssimas e visual deslumbrante. Por ser vizinho do Yellowstone, não perca de jeito algum e faça a escala. Chegando ao 1º parque nacional americano, criado em 1872, você está entrando em outro mundo e irá ver o que nunca pensou existir na terra, ou melhor, que está ainda se formando. Seja pelos contrastes de quente e frio ou da terra em constante ebulição numa área de intensa atividade vulcânica. Tudo ferve logo ali pertinho da gente e do lado de fora, mesmo no verão, o frio é de rachar. E dizem este ser o maior vulcão ativo da terra! Geysers por todos os lados jorram água fervendo há muitos metros de altura, piscinas que brotam da terra com cores impensáveis, canyons com tonalidades que vão do branco, passando por amarelo, vermelho e marrom, cachoeiras altíssimas, vida animal abundante (dizem até que o urso Zé Colméia mora ali, apesar de não ter topado com ele) e uma estrutura com tudo que precisamos para uma viagem memorável. Prepare a retina, a câmera fotográfica e o corpo, já que se chega a todos os lugares de carro, mas sempre uma caminhada nos espera pela frente, sem contar a altitude que já sentimos de leve em nosso fôlego. O programa noturno no parque é descansar pra começar um novo dia de descobertas, mas sem antes provar a ótima truta dos rios gelados da região e um céu com tantas estrelas que não vimos há muito tempo. E isso é só um pouquinho do que tem por lá. Ale Ravagnani, com a colaboração de Rino e Marcio

Entrada oeste de Yellowstone no estado de Montana

Congestionamento de bisões

O geyser Old Faithful entrando em ação de hora em hora

Cromatic pools, Yellowstone

Mammoth Hot Springs Terraces, Yellowstone

Atividade termal e o lago Yellowstone ao fundo

Lower Falls, Grand Canyon do Yellowstone

Grand Prismatic Spring, Yellowstone

Grand Prismatic Spring, Yellowstone

Great Fountain Geyser, Yellowstone

Mule Deer, Yellowstone

Norris Geyser Basin, Yellowstone

Cromatic Pools, Yellowstone

Cromatic Pools, Yellowstone

Great Fountain Geyser, Yellowstone

Cromatic Pools, Yellowstone

Bull Elk, lago Yellowstone

Lower Geyser Basin, Yellowstone

Pronghorn, Yellowstone

Steamboat Point, Yellowstone

Transporte coletivo no parque

Torres del Paine. Onde as torres tocam o céu

O parque nacional de Torres del Paine, no extremo da Patagônia chilena e reserva da Biosfera pela Unesco, com certeza é uma das grandes paisagens da Terra. Seu ecossistema único no meio da desértica Patagônia possui um microclima que nos presenteia com espécies só ali encontradas, montanhas altíssimas, geleiras e vida animal abundante. Isso tudo com uma ótima infra-estrutura de transporte, hotéis e excelentes guias. O início dessa viagem se dá depois de um voo de 4 horas de Santiago a Punta Arenas, cidade mais extrema do Chile. Aproveite para ver o Estreito de Magalhães e mesmo navegar por ele até a pinguineira de Isla Madalegna, que depois de uma viagem de barco de 2 horas, nos deparamos com milhares desses bichinhos engraçados, barulhentos e mal cheirosos (mas isso você tenta ignorar). A época ideal da viagem é o verão, que vai de dezembro a março, e mesmo assim espere encontrar frio razoável mas suportável, vento e quem sabe até mesmo um pouco de neve dependendo da altitude que você estiver. De volta à cidade de Punta Arenas, vale a pena dar uma volta pela cidade com suas casinhas coloridas, visitar o Museu Salesiano, que nos conta muita história da região, da fauna e da flora e escolher um dos bons restaurantes que servem frutos do mar, especialmente a centolla, caranguejo desajeitado e gigante da região e os peixes das águas geladas. Deixe o cordeiro para depois para não enjoar, pois este será o prato principal daqui pra frente. Mas se prepare que o tempo pode virar a qualquer momento e o vento gelado que vem direto da Antárctica te pegar de jeito.

Punta Arenas e o Estreito de Magalhães

Casa em Punta Arenas, Patagônia chilena

Pinguineira Isla Madalegna, Estreito de Magalhães

O parque, destino de nossa viagem, ainda está a 400 km de distância. Para deixar a viagem menos cansativa, prepare-se para parar e ficar um dia em Puerto Natales, pequena cidade pesqueira, à beira de um fiorde e encravada no meio das montanhas. Uma maneira pra lá de diferente de continuar a viagem é seguir de barco a partir da cidade. Primeiro toma-se um pequeno barco, porém com parte coberta e algum conforto passando por diversos glaciares como o Serrano e o Balmaceda e lagos cobertos de icebergs que dão show para qualquer aprendiz de fotógrafo. Quando se está mais próximo do parque, trocamos de barco para um bote chamado zodiac e começamos a sentir a verdadeira natureza selvagem da Patagônia navegando pelo Rio Serrano. Sabe quando a viagem até o lugar é o passeio? Neste caso isso é verdade.

Glaciar Serrano, Puerto Natales

Torres del Paine é enorme e provavelmente seu hotel providenciará os passeios com transporte e guias. Na primeira vez que estivemos lá, ficamos na Hosteria Grey, bem em frente ao lago Grey e à geleira de mesmo nome que fica ao longe. Quase não a notamos, mas quando vemos os icebergs chegando relativamente perto das margens do lago, nos damos conta de onde estamos. Na última vez ficamos no Hotel Las Torres, bastante confortável e profissional, com uma localização boa, mas não tão impressionante quanto o Grey. Quando se caminha o dia inteiro em uma região com clima hostil, escolha um lugar para ficar com um mínimo de conforto. Uma boa noite de sono é garantia de um dia com energia e disposição. Alguns hotéis do parque envelheceram e é bom checar as condições antes de reservar. Para o primeiro dia, faça um tour chamado Full Paine, que dá um giro completo de reconhecimento pelo parque, passando por diversos lagos cor azul, verde, cinza e mais tantas outras cores, cachoeiras cristalinas (Salto Grande, Salto Chico e Saltos del Paine), mirantes, o Maciço Paine, com mais de 3.000 metros de altura, e muita vida animal com condores (a maior ave existente com evergadura que pode chegar a 3 metros), ñandu (um tipo avestruz local), huemul (espécie de alce que está em perigo de extinção), guanacos, o temido e arredio puma, além de muitas espécies de aves. Se der tempo, vale a pena pegar o barco para visitar o Glaciar Grey e fechar o dia em grande estilo. Este é o dia de reconhecimento da região e daqui em diante, as expedições poderão ser mais específicas para partes do parque e muitas caminhadas com diferentes níveis de dificuldades. As opções são infinitas e a cada hora do dia, dependendo da luz, as torres del Paine vão mudando de cor e ao entardecer estão avermelhadas refletindo a luz do sol. Uma coisa é certa, você não vai enjoar desse cenário. Tente ficar alguns dias no parque para que seu contato com esta natureza formidável não seja superficial, mas programe-se já que os hotéis lotam com meses de antecedência. Cada parte em que se caminha é uma surpresa, as flores estão em seu auge, os animais com seus filhotes recém nascidos e o dia é longo o suficiente para você ter a luz do dia a seu favor. Anoitece muito tarde no verão só pra gente aproveitar muito mais. Mas ainda tem muito mais da Patagônia. Logo vou falar da parte que está na Argentina e suas geleiras incríveis já que a região merece muitas e muitas viagens. Ale ravagnani

Maquete de Torres del Paine, Hotel Las Torres

Torres del Paine

Whisky com gelo milenar, Glaciar Grey

Saltos del Paine

Cavalos do Hotel Las Torres

Lupinos, flor da Patagônia

Papoulas, Torres del Paine

Ponte estreita, caminho do hotel Las Torres

Museus-experiência: Ilha de Alcatraz, Museu Guinness e Auschwitz-Birkenau

Muito se fala em experiência de marca com o consumidor. Acredito que esta mesma visão meio marqueteada também tenha chegado ao turismo. Quantos lugares são “embalados” de tal jeito que a experiência vivida acaba se tornando inesquecível. A Disney com certeza é uma delas, mas aqui vou contar três momentos de viagens que marcaram para sempre com grandes experiências que recriaram a história do lugar de tal maneira que se tornou inesquecível para mim.

A Ilha de Alcatraz na baía de São Francisco não é só uma vista bonita da Golden Gate e da cidade. Vai muito além disso. Partindo de barco do pier em São Francisco, chega-se à ilha que foi uma prisão de 1934 a 1963 e que por ali passaram criminososo famosos como Al Capone. A visita se dá em parte através de um sistema de áudio, bem corriqueiro na maioria dos museus, mas ali feito de maneira diferente. A gravação que ouvimos quando paramos em cada cela e apertamos o número referência é a voz dos presos verdadeiros, que viveram seus dias ali ou então de carcereiros que trabalharam em Alcatraz, contando a história e detalhes de cada pedaço da prisão, coisas que somente eles saberiam dizer. Ao mesmo tempo que é fascinante, é de arrepiar até o último fio de cabelo.

Ilha de Alcatraz, São Francisco

Ilha de Alcatraz e seus ex-detentos-guias

O Museu Guinness em Dublin na Irlanda, é uma ode à cerveja escura mais famosa do mundo e que tem adoradores em todos os lugares. O museu foi construído numa antiga e histórica fábrica da cerveja, anexa à fábrica moderna e atual. O tour pelo prédio passa por todos os processos de fabricação, andar por andar, com os equipamentos originais e a reconstrução com gravações em áudio-visual. Dos ingredientes à história, indo dos equipamentos à fabricação, chegando na marca, embalagens e a premiada publicidade da Guinness. No final do tour, chega-se a um bar envidraçado no último andar da cervejaria e com um visual 360º de Dublin. E a degustação do melhor pint de Guinness de sua vida vindo direto do encanamento da fábrica está incluso no preço do ingresso.

Museu Guinness

Exposição da publicidade da Guinness

Auschwitz-Birkenau próximo a Cracóvia na Polônia é o registro real das barbaridades do holocausto ocorrido pelos nazistas. Não existe experiência mais dolorosa e dramática. A visita começa na própria van que nos leva da cidade até os campos de concentração. Nossa guia conta que faz isso para ninguém esquecer o que seus familiares passaram ali. Ao chegar, um filme no museu nos situa e na sequência, ninguém mais consegue abrir a boca. O silêncio e a emoção domina a todos e quando chegamos aos fornos, câmera de gás ou ao famoso portão que os trens chegavam com os judeus, fica difícil continuar e seguir em frente. Respiramos fundo e damos conta da importância do local continuar existindo. Ale Ravagnani

Camboja. Muita história longe das guerras

Pense num dos países mais longínquos da terra, chamado Camboja, e faça suas associações. Qual é a primeira coisa que lhe vem à cabeça? Você pensou em pobreza? Guerra? Grupos guerrilheiros? Doenças? Com certeza, o país já passou por tudo isso, entre outras coisas, mas felizmente, vem superando na medida de suas possibilidades, grande parte dos graves problemas que já o afetaram um dia. Apesar de tudo que o povo passou, a segurança e a paz prevalecem. Além de ter uma população amistosa, é seguro viajar, embora se tenha a sensação de estar chegando ao fim do mundo. Um fato curioso que exemplifica muito bem isso se passou durante um jantar na cidade de Siem Reap. Depois de muito tempo de viagem pela Ásia, eu estava sem ter uma refeição decente há algum tempo. Após um excelente jantar, num pequeno restaurante escolhido pela sorte, e depois de pedir várias pequenas porções e provar e aprovar 100% do que me foi servido, o chef surpreso com o ocidental comilão, foi à mesa me conhecer e acabamos a noite batendo papo e tomando um drinque em um bar da cidade. Hoje, o Camboja está se tornando um dos destinos mais interessantes do mundo para visitar e nos mostra outra face que, certamente nos agrada muito mais. Hotéis de primeira estão chegando, a exemplo da badalada rede Aman Resorts, que já se instalou com seu Amansara perto dos templos de Angkor. A culinária cambojana, que antes era considerada somente mais uma dentre tantas na Ásia, recentemente vem se tornando o hit do momento, e alguns críticos como o da Condé Nast, acreditam que fará frente à já consolidada e apreciada comida tailandesa. Talvez seja uma herança que os franceses deixaram com sua colonização, quando formaram até 1953 a Indochina francesa, junto com o Laos e o Vietnã, tendo a astúcia de transformar a mistura de influências numa embalagem gourmet e saborosa.

E, por falar nos franceses, o principal destino de todos que visitam esse país, e o meu inclusive, é um lugar no meio do Camboja chamado Angkor. Na época em que o destemido explorador francês Henri Mouhot redescobriu em 1858 os templos de Angkor no meio da selva cambojana no Sudeste Asiático e os tornou conhecidos mundialmente, acredito que tenha tido a mesma sensação que temos nos dias de hoje, 150 anos depois, quando os visitamos. A chegada à Siem Reap, porta de entrada dos templos, é feita diretamente de Bangkok, capital da Tailândia, ou passando pela capital do Camboja, Phnom Penh. De lá, toma-se outro voo para Siem Reap, e desse pequeno vilarejo, todos os caminhos levam a Angkor. São centenas de templos espalhados por uma área de mais de 400 km2. Mas isso não é motivo para desanimar, já que os principais, que considero imperdíveis, estão a uma distância relativamente próxima uns dos outros. A cada nova descoberta há um deslumbramento e não é à toa que o Angkor é denominado patrimônio da humanidade pela Unesco desde 1992. Imagine que entre os séculos IX e XV houve uma civilização que construiu um império com um sistema único no meio da selva. O tempo foi passando e sucessivas gerações iam tomando conta do império e agregando ora influências hindus, ora budistas, e hoje o que se vê são deusas no meio de estátuas com feições de Buda, formando um sincretismo único no mundo.
Angkor Wat, dedicado ao deus hindu Vishnu, e o principal de todos os templos do império Khmer, é considerado o maior templo religioso do mundo e foi concebido como se fosse um modelo do Universo. Os sistemas de reservatórios de água, além do propósito de irrigação, representavam simbolicamente o oceano, e o templo, que ficava ao meio, era a montanha central. Caminhando ao seu redor, temos um pouco da noção do que foi aquilo tudo, da imensidão e dos detalhes pensados. Em cada pedaço de pedra, se vê algo esculpido. Em cada parte da estrutura, é possível vislumbrar uma engenharia e grandiosidade únicas e surpreendentes até para os dias atuais. Um senso estético elevado aos mais ricos detalhes imaginados. Outro templo não menos impressionante é o Bayon, com suas centenas de figuras de rostos, que enigmaticamente, parecem estar sempre nos observando, suas dançarinas, apsarás e alguns números fabulosos. Foram 30 anos de construção, 360 mil trabalhadores, 6 mil artesãos e 40 mil elefantes: tudo para levantar o que vemos ainda de pé 500 anos depois. Sigo para o próximo templo e então percebo o que a ação do tempo pode fazer. Ta Prohm parece ter sido abandonado, assim como foi o desaparecimento da civilização Khmer. Árvores com centenas de anos estão emaranhadas nas pedras, abrindo espaço para suas raízes tocarem o solo, parecendo cera derretida “escorrendo” paredes abaixo. É tão impressionante quanto o mais preservado dos templos de Angkor e por isso serviu de cenário para o filme Tomb Raider. Muito acertadamente, meu guia local me levou ao templo logo cedo, horário em que não havia nenhum turista nem qualquer referência de que estávamos no século XXI, e não mais na Idade Média. Paramos para um piquenique no meio das ruínas, e meu guia começou a contar um pouco sobre sua vida. Na década de 70, seu pai era professor universitário e foi preso e dado como desaparecido. Sabe-se que foi capturado, torturado e executado pelo exército comunista Khmer Vermelho, do general Pol Pot, pelo simples fato de ter cultura, saber ler, escrever e transmitir isso à família e a seus alunos. Bastou esse motivo para metade da população do país ter sido dizimada nos anos de 1970. Seguindo os caminhos do pai, meu guia fazia esse trabalho para ajudar em seu orçamento e estava começando sua promissora carreira de professor de História, a fim de disseminar o que lhe foi transmitido e interrompido bruscamente.

Num mundo em que descobrir um lugar pouco divulgado pela mídia é um presente raro que todo viajante deveria se dar, independentemente da distância ou dificuldade para se chegar, deve-se focar no que vai encontrar e descobrir. Assim como o destemido francês no século passado, ainda podemos ter a sensação de algo realmente novo para nossos olhos tão cheios de referências. Parece que uma nova dimensão se abre e nos damos conta de que o mundo não é tão pequeno assim, que ainda não vimos tudo o que precisa ser visto ou que ainda vale a pena pegar um avião, voar mais de 24 horas e se deparar com o impensável. Ale Ravagnani

Templo de Angkor Wat

Templo de Angkor Wat

Templo de Bayon

Templo de Bayon

Casa-barco - Lago Tonle Sap

Templo de Ta Prohm