Apple sem Steve Jobs e a maçã da 5ª avenida seguindo reluzente

Apple Store na 5ª Avenida em Nova York

Todo mundo sabe que o mundo não será o mesmo sem o fundador da Apple, a empresa de tecnologia que revolucionou o mundo.
No último dia 05 de outubro estava em Nova York e poucas horas depois da triste notícia ao passar em frente à Apple na 5ª Avenida, onde ficava aquele cubo majestoso na entrada da loja, percebi que a repercussão sobre a morte de Steve Jobs já estava ali demonstrada por seus inúmeros fans. Manifestações de carinho explícitas e mensagens do mundo inteiro de milhares de pessoas estava ali representando um pouco do que Jobs significou para esta geração e que provavelmente continuará influenciando outras.

Ao redor do tapume que agora cobre o futuro novo cubo da Apple e que dá acesso à loja subterrânea, mensagens em papéis coloridos quebram o outrora cinza de pessoas anônimas e que foram influenciadas pelo recriador da tecnologia.

A espera do que virá no futuro sem Steve Jobs, turistas visitam a loja como se fosse um novo monumento em Nova York, concorrendo com o MoMA ou até mesmo a Estátua da Liberdade. Um novo projeto do famoso cubo de vidro da fachada ainda não revela sua nova configuração, mas já é anunciado que ele passará das atuais 90 placas de vidro para apenas 15, com certeza mais um traço do desejo e do perfeccionismo de seu fundador.

E a tristeza fica para todos que admiravam este gênio e que não vivem sem seus legados para a nossa geração.

Mensagens para Steve Jobs

Carinho e bom humor dos fans

Aglomeração para fotografar e entrar na loja

Devoção

Último adeus

Design em todos os aspectos

Futuro cubo que passa de 90 a 15 painéis de vidro

A maçã na big apple

Homenagem na agência Ogilvy & Mather em Nova York

Meus colegas da Ogilvy em Nova York fizeram no escritório uma homenagem a Steve Jobs.

“It`s not just what it looks like and feels like. Design is how it works.”

Ale Ravagnani

Eu e o cozinheiro. Uma história no Camboja

Esta é uma história improvável para os dias de hoje, mas que aconteceu há 16 anos, num dos países mais isolados do mundo (pelo menos naqueles tempos). Até parece mentira, mas aconteceu e é esse tipo de coisa que acontece quando se viaja, é que faz um certo lugar ficar marcado para sempre em nossa memória.

Uma viagem é feita por vários aspectos, são os lugares que visitamos, o povo local, coisas inusitadas que vemos e claro, a comida do lugar, que também diz muito a respeito daquela cultura, os hábitos, clima e mais um pouco.

Era uma noite quente e úmida numa cidadezinha do interior do Camboja chamada Siem Reap. Um vilarejo que fica à beira do Rio Mekong, um dos maiores rios do mundo e também porta de entrada dos magníficos templos de Angkor, construídos a partir do século IX. Cheguei na cidade já no fim do dia vindo de Phnom Penh, a capital do país, num voo da Royal Air Cambodia que parecia saído da União Soviética pós Guerra e pós tudo, um Tupolev sujo, mal cuidado, mas o pior mesmo era quando estava no ar, parecia que não ia conseguir chegar a lugar algum e a turbulência do clima tropical era brutal e não ajudava em nada.

Ainda por cima, na minha estada anterior em Bangkok, um tanque de Guerra praticamente havia me atropelado por dentro. Estava passando mal do estômago de verdade, onde credito essa intempérie à minha curiosidade pela magnífica culinária tailandesa e às quantidades cavalares de pimenta que meu corpo recebeu.

Superei a viagem sem muita coisa no estômago pra passar mal e cheguei são e salvo no Camboja, meio que de ressaca e felizmente recuperado dos problemas estomacais recentes. Como dizem que tenho estômago de avestruz, e tenho mesmo, fui para meu pequeno e singelo hotel, situado numa das poucas ruas da cidade, com pouca iluminação que era provida por geradores e que ficava oscilando o tempo todo dando um clima de fim de mundo. Tomei banho, o que não ajudou muito a refrescar e saí em busca de algum lugar para comer. Tudo estava vazio, pouquíssimos turistas à vista e o brasileiro curioso e destemido caminhando sem direção. Encontrei um lugar que me parecia apresentável e sentei numa mesa de canto. Eu era o único cliente da noite no lugar durante minha refeição inteira, e olha que ela não durou pouco.

Um garçom muito atencioso tentava me explicar o que era cada prato, mas o entendimento ali não foi fácil. Na dúvida, pedi vários pratos, em parte por não querer arriscar e comer algo que poderia não descer bem, e talvez mais provavelmente por querer repor o tempo perdido pela noite anterior e pelo dia inteiro onde não foi possível comer absolutamente nada, a não ser muita água para minha re-hidratação.

Depois de alguma espera começaram a chegar os pratos. A apresentação estava boa, mas os sabores eram simplesmente sensacionais. Chegou de tudo, carne de vaca ao molho que parecia de ostras servido com vegetais, todos ao dente e numa cor sem igual, tudo super fresco, frango com leite de coco e mais algumas coisas que meu paladar não conseguiu identificar, peixe cozido e frito vindos diretamente do Rio Mekong, mas super bem preparados, camarões, e mais alguma coisa que não sei bem o que poderia ser, mas acredito que era uma iguaria local super apreciada, cobra… Experimentei, mas eu não tinha estômago para arriscar tanto e parei na primeira garfada. Depois de mais de hora nesta refeição silenciosa, com os dois garçons do lugar me admirando de queixo caído, um deles veio me dizer que o chef do restaurante gostaria de me conhecer. Foi uma surpresa e tanto e claro que começamos uma conversa de doido, um tentando se fazer compreender como podia, eu no inglês e ele no francês. Depois de 15 minutos de conversa boa, ele me disse que estava fechando seu restaurante e perguntou se eu gostaria de conhecer a cidade. Ressabiado como todo bom brasileiro escaldado, subi em sua motoca, na verdade uma mobilete tão antiga quanto o avião que me levou até ali, e saímos pelas ruas mal iluminadas da cidade.

Passamos por bares ainda mais escuros, por ruelas, pelos poucos bairros, por muitas ruas esburacadas e tantas outras de chão batido, parávamos quando ele encontrava algum conhecido, me contou sobre sua vida e sua família, e depois ao fim de nosso tour, paramos num bar para tomar uma autêntica cerveja cambojana, a Angkor Beer, que tive a capacidade de trazer uma long neck da viagem como souvenir. Já bem tarde ele me deixou em meu hotel e este encontro improvável com este simpático cozinheiro foi uma ótima oportunidade de conhecer um pouco mais da cultura desse povo amistoso e hospitaleiro, que sofreu nas mãos de regimes repressores e cruéis e que mesmo assim está aberto para conhecer o que vem de fora e quem pode trazer um pouco de informação de outras culturas.

No dia seguinte logo cedo os templos de Angkor me esperavam, mas aí é outra história que já foi postada aqui no O Mundo é Meu Vizinho.

Ale Ravagnani

De volta ao tempo entre Paraty e o Rio de Janeiro

Viajar ao estado do Rio de Janeiro vai além de sol e belas paisagens, é beber da nossa história direto da fonte.

A pouco mais da metade do caminho entre São Paulo e o Rio, meio que escondida na Serra do Mar, fica a bela cidade histórica de Paraty. Fundada em 1667, a cidade passou por momentos áureos, primeiro como um grande centro produtor de cachaça, chegando a ter mais de 250 engenhos de cana de açúcar para a produção da aguardente e no século XVIII, foi um importante porto por onde se escoava o ouro e as pedras preciosas que vinham de Minas Gerais e iam em direção a Portugal. Mais recentemente, com a descoberta pelos turistas, principalmente após a abertura da Rodovia Rio-Santos na década de 70. Espremida entre a Serra da Bocaina e a Serra do Mar, Paraty é única no Brasil. São ilhas e mais ilhas, algumas completamente intocadas e um mar de cor verde sem igual. No lado da Bocaina, a impressão é de se estar no campo, e muito longe do mar, mas basta achar uma brecha entre as montanhas pra encontrar o mar ao longe. E de barco, quanto mais se distancia da costa, mais preservada se encontra a natureza. Na cidade, são Igrejas centenárias e casarões históricos por todos os lados. Símbolos maçons são vistos em muitas de suas construções, mas seus significados hoje em dia são muito mais estéticos do que qualquer outra coisa. Um dia nublado na cidade pode significar um grande dia de caminhadas e descobertas pelas pedras desiguais das ruelas de Paraty e um grande dia tanto quanto se você estivesse nas praias das ilhas logo ali em frente. É uma troca sem perda alguma.

Ilha do Cedro na Baia de Paraty

Vista da Pousada Arte Urquijo em Paraty

Casario histórico de Paraty

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty

Casa próxima ao cais de Paraty

Vendo o tempo passar, Paraty

Já chegando ao Rio de Janeiro e continuando sua busca pela história, uma parada no centro convida uma volta ao tempo. A Confeitaria Colombo foi fundada em 1894 e não é só pelo concorrido salão de chá que fica apinhado de cariocas e turistas. Sua arquitetura impressiona e na época só rivalizava com as confeitarias de Paris ou Londres. Hoje impressiona muito mais, já que seus mais 100 anos de história não ofuscaram seu glamour, pelo contrário, é uma ilha no meio da cidade, um lugar para parar e esperar o tempo passar, ou até mesmo voltar nele, e tentar se transportar para sua época de ouro, imaginando como eram as pessoas e o que aquilo tudo representava. Hoje em dia, a disputa por uma mesa é grande, assim como as opções do cardápio. Num fim de tarde corrido, depois de desistir de enfrentar a fila para sentar, recorri ao balcão mesmo e provei um gostoso bolinho de bacalhau e para recuperar as energias, uma torta doce mil folhas de cair o queixo. Mas as opções são muitas e um desfile de chás, doces e salgados estão à espera daqueles sortudos de verdade que estão ali sem pressa e sem precisar olhar para o relógio, assim como era a vida 100 anos atrás.

Confeitaria Colombo, Rio de janeiro

Belle Époque da Confeitaria Colombo

Linda arquitetura Art Nouveau

Disputado salão da Confeitaria

Vitrais do teto da Colombo

Mosteiro de São Bento fundado em 1590 no Rio de Janeiro

Mosteiro, a casa dos monges beneditinos

Ale Ravagnani

Onde é o quente do momento pra se ir no mundo

Os guias de viagem Lonely Planet, meu fiel escudeiro em muitas de minhas andanças pelo mundo, lança todos os anos o guia Best in Travel. São as melhores tendências, destinos, viagens e experiências que se pode encontrar no momento. Essas listas de destinos podem ser uma ótima ajuda se por acaso baixar aquela dúvida em escolher dentre tantos lugares no mundo. O Guia leva em conta uma série de fatores todos os anos ao eleger seus destinos favoritos, e aqui, junto com eles, elejo os meus também. Já estive em alguns destes lugares, e outros ainda são planos. Ah, e o Brasil este ano está no topo da lista e foi eleito um dos 10 melhores países para se conhecer.

A seguir algumas das listas que devem nos inspirar ao escolher onde ir.

TOP 10 – PAÍSES

Albânia
Brasil
Cabo Verde
Panamá
Bulgária
Vanuatu
Itália
Tanzânia
Síria
Japão

Zanzibar, Tanzânia

Monte Kilimanjaro, Tanzânia

Se eu fosse escolher um destes destinos para ir amanhã, a Tanzânia estaria no topo da minha lista. Imagina que num único lugar se encontra o Monte Kilimanjaro, as águas azuis da costa no Oceano Índico de Zanzibar e o parque de Serengueti com sua fauna sem igual no mundo e um dos safaris mais selvagens e excitentes que se pode fazer.

TOP 10 – REGIÕES

Sinai, Egito
Istria, Croacia
Ilhas Marquesas, Polinésia Francesa
Capadócia, Turquia
Ilhas Shetland, Escócia
Grande Barreira de Corais, Austrália
Costa Oeste, Estados Unidos (de Los Angeles a Seattle)
Patagônia Chilena
Ilhas Gili, Indonésia
Westfjords, Islândia

Capadócia, Turquia

Islândia

Aqui o páreo é duro para se escolher somente um destino. Minha dúvida seria entre optar pela região da Capadócia na Turquia, com suas impressionantes formações rochosas, seus hotéis-cavernas e os passeios de balão ou a Croácia, grande destino do turismo mundial atual, que mistura cidades medievais à beira de um mar translúcido ou os fiordes e geleiras da Islândia com suas imensas massas de gelo e muita vida selvagem em plena Europa, apesar de estar bastante isolada numa ilha.

TOP 10 – CIDADES

Nova York, estados Unidos
Tânger, Marrocos
Tel Aviv, Israel
Wellington, Nova Zelândia
Valência, Espanha
Iquitos, Peru
Ghent, Bélgica
Delhi, Índia
Newcastle, Austrália
Chiang Mai, Tailândia

Tânger, Marrocos

Chiang Mai, Tailândia

O Marrocos é uma grande experência que deve ser vivida devagar para conseguir assimilar tantas informações e novas sensações, e Tânger é o lugar para vivenciar o estilo marroquino, ainda mais se você ficar hospedado num hotel-Kasbah, que é definitivamente uma volta ao tempo.
Wellington na Nova Zelândia é a Inglaterra em plena Oceania, com cultura local mas com tempero inglês. E se a distância não for problema, a região de Chiang Mai na Tailândia convida para um safári no lombo de elefantes pelas montanhas mais altas do país, com uma vegetação estonteante, entremeada por muitos templos para sua viagem ser repleta de relaxamento e cultura zen.

TOP 10 – MELHORES CUSTO-BENEFÍCIO

Bangladesh
Nicarágua, América Central
Washington, Estados Unidos
Paris, França
Namíbia, sul da África
Argentina
Nápoles, Itália
Filipinas
Ucrânia
Síria

Deserto da Namíbia

Filipinas

Invista no que lhe parece o menos óbvio possível. Lembre-se que quanto mais somos jovem, mais fácil encaramos alguma falta de conforto e lugares com menos estruturas para receber o turista. A Namíbia não se encaixa tão bem nestas descrições, já que o país se estruturou bastante para o turismo, comparado a meu ver com sua vizinha África do Sul, apesar de toda a rusticidade das paisagens. Vá logo porque ainda não foi descoberto pelo mundo. As Filipinas é outro destino fora do grande circuito, mas cheio de surpresas. Praias e mais praias de areias tão brancas e imaculadas que vai ser difícil encontrar igual, e por fim a Síria guarda muita história apesar de ter vivido um regime pouco ortodoxo e bastante repressivo. Você vai encontrar muita história, uma comida extraordinária e um povo amistoso.

Ale Ravagnani

Mônaco e Èze, entre o mar e as montanhas

O famoso principado de Mônaco e sua pequena vizinha medieval de Èze, são duas jóias do Sul da França, situadas entre a cidade de Nice e a fronteira com a Itália.

Obra do artista Anish Kapoor, praça do Cassino de Mônaco

Jardins do Cassino de Mônaco

Jardins do Cassino

Cassino de Mônaco

Restaurante de Alain Ducasse em Mônaco

Ruas de Mônaco

Ruas de Mônaco

Praça do Fort Antoine

Fort Antoine

Vista do porto de Mônaco

Um bom começo é dirigir pelas ruas de Mônaco e passar por onde segue o percurso do circuito mais famoso da Fórmula 1, ir de cima a baixo e perceber que a cidade está construída em penhascos e logo abaixo um mar de iates e transatlânticos no mais luxuoso porto de todos os mares. O que mais se percebe é que por onde quer que se ande, tudo está impecável, desde os jardins com suas fontes, passando pela arquitetura e limpeza da cidade. Restaurantes com os chefs mais estrelados do mundo e o cassino símbolo da cidade fazem dela a casa de muitos abonados das mais diversas nacionalidades, inclusive de alguns brasileiros. Tudo parece imaculado, mas ao mesmo tempo distantante dos simples mortais, turistas que passam o dia fotografando e voltando para sua jornada de viajante.

Entrada da Vila de Èze

Èze nas montanhas

Arredores de Èze

Praça e fonte em Èze

A noite caiu em Èze

Igreja Notre Dame de l’Assomption, Èze

Èze no topo da colina

Ruelas de Èze

Muros medievais de Èze

Mirante da Igreja

Contrastes

Pedra sobre pedra

A noite de Èze

Menos de 5 quilômetros de Mônaco, se chega à pequena vila medieval de Èze, situada na Riviera Francesa e apesar de colada na sua vizinha rica, deixa a badalação e ostentação de lado para nos fazer voltar o tempo de milhares de anos de sua história. Perder-se por suas vielas e de repente se deparar com hora de frente para o mar, distante algumas centenas de metros dali, hora para as montanhas, onde estão os Alpes Marítimos que se debruçam praticamente sobre o Mediterrâneo, é colirio para os olhos na certa. Apesar de seu reduzido tamanho, guarda algumas pequenas jóias, como a Igreja Notre Dame de l’Assomption construída em 1764, a Capela de la Sainte Croix, de 1306 e o Jardim Botânico d`Èze com suas vistas panorâmicas bem nos penhascos. Além disso, uma das mais antigas fábricas de perfume da França está ali, a Fragonard. Não deixe de visitar e provar os aromas típicos do Sul da França e da Provence, que está logo ali, como a lavanda, flor de laranjeira e a verbena.

Mas não vá embora antes que a noite caia e uma outra cidade tome seu lugar. Grande parte dos turistas vão embora e a cidade está ali para ser descoberta através de sua iluminação amarelada e vielas escondidas. Você está praticamente num cenário de filme de época, distante de qualquer referência das cidades atuais, e se possível passe a noite ali e faça da viagem uma segunda lua de mel. Apesar de poucas opções para jantar, vai ser fácil encontrar um lugar que vai ficar para sempre na sua memória e entrar na lista dos mais inesquecíveis. Não sei se pelo clima do lugar, pelo cenário, pela oferta dos ingredientes frescos franceses, pelo vinho maravilhoso, pela noite de verão, pela companhia ou se pela soma disto tudo e mais um pouco.

Ale Ravagnani

 

Dia de Feira na França

Toda boa refeição na França começa na feira.

Marché Forville em Cannes, sul da França

Do mar para a mesa, Cannes

Ladurée e o macaron de flor de laranjeira

A tradição da gastronomia francesa vem de muito, muito tempo. Os chefs são considerados estrelas desde os tempos do grande cozinheiro Antoine Carême que viveu no século XVIII, no auge da Revolução Francesa e ficou conhecido como o “chef dos reis e o rei dos chefs”. Em sua vida, serviu Napoleão e depois de sua queda, Carême foi para Londres e trabalhou como chef de cuisine para o Príncipe Regente, George IV. Retornando ao continente, serviu ao Czar Alexander I em São Petersburgo, antes de retornar à Paris, onde trabalhou como chef para o banqueiro James Mayer Rothschild. Ele é lembrado como o fundador do conceito de alta gastronomia.

O grande chef Antoine Carême

Criações de Carême

Mas o que desde aqueles tempos era falado? Que toda grande gastronomia começa com bons ingredientes, e isso na França é da mais pura verdade e importância. Um dia num mercado francês, é uma viagem pela gastronomia, com os ingredientes mais bonitos que se pode encontrar, tudo muito fresco e vindo direto do produtor. É colírio para os olhos, de quem gosta de cozinhar ou somente para aqueles que apreciam uma boa refeição e sabem como é importante a base de tudo. Mas olhando toda a variedade e qualidade dos produtos, percebemos a herança que o povo francês carrega. É quase uma devoção ir ao mercado e escolher o que de mais fresco chegou para ser servido à noite em casa. E não estamos somente das grandes cidades. Praticamente qualquer cidade francesa tem sua feira livre onde todos os dias os ingredientes para uma grande refeição os esperam para irem para a panela. São tantas variedades, tantos cogumelos diferentes, trufas negras, tomates dos mais diversos tipos e cores, queijos e até uma simples abobrinha em flor se torna uma iguaria aos olhos de quem gosta de comer bem. E isso na França é levado tão a sério que faz parte da identidade nacional. E pela culinária se começa e se encerra uma grande viagem pelo ícone mundial da boa comida, seja ela feita pelas criações de um grande chef com estrelas Michelin ou por uma simples dona de casa que vem seguindo receitas que passaram de geração em geração. Bon appétit!

Ale Ravagnani

Londres, suas ruas e sua personalidade

Londres se conhece caminhando por suas ruas. Não é preciso muito mais para dizer que se conhece bem a cidade, porque sua verdadeira alma é formada por quem as habita, tal diversidade se encontra pela frente. Andar por suas ruas é voltar ao tempo, e ao mesmo tempo, pode ser um adiantar dos ponteiros do relógio, é ir para a Índia, para a Turquia, é visitar o Nepal, e dar a volta ao mundo em poucos passos. É pensar que a cidade recebe a todos de braços abertos e os respeita como são.

A sensação de liberdade que se tem em Londres é única e em nenhuma outra metrópole do mundo você se sente tão cidadão do mundo, de um novo mundo que só Londres sabe receber e aceitar. E, o mais importante, poucos são os bairros dos guetos ou das minorias. As pessoas se mesclam umas às outras, o que torna a paisagem urbana única e diferenciada, seja onde você estiver. Não tem barreira religiosa, de raça ou de opção sexual. A coexistência é uma realidade num mundo em que muito frequentemente se questionam as fronteiras e barreiras impostas por onde nascemos, nos restringindo onde não escolhemos que ali seriam nossas casas. Mas aqui isto não vem ao caso.

Isto não vem de hoje. Os ingleses foram grandes desbravadores dos chamados  velho e novo mundo. Chegaram na África, Índia, China, Austrália, entre muitos outros países, e agora é a vez de retribuir, de ter um olhar diferente com os entrangeiros. E pensar que quase um terço da população é formada por gente de fora, só se atesta o que nossos olhos constatam caminhando pela cidade.

Este foi o resumo de três lindos dias do verão de Londres que gostaria de compartilhar com vocês.

Vergonha de que?

Posando na Tower Bridge

Free Tibet

Se sentindo em casa

Estátua humana

Thank you my lady

Transporte alternativo

Semana de Wimbledon na Tate Modern

Elegância inglesa

Dia do rosa

Pra onde ele foi?

Tâmisa e a Tower Bridge

O último dos moicanos em Camden Town

Trabalho de cachorro

Pausa para o descanso

Quebrando a monotonia

Picadilly Circus

Soho Square

Vergonha de que 2?

Oxford Street

Domingo em Covent Garden

Uma moeda por um abraço

Berimbau

Mordida dos peixinhos em Camden Town

Domingo de sol em Camden Lock

Voltando no tempo em Covent Garden

Ale Ravagnani