Dia de Feira na França

Toda boa refeição na França começa na feira.

Marché Forville em Cannes, sul da França

Do mar para a mesa, Cannes

Ladurée e o macaron de flor de laranjeira

A tradição da gastronomia francesa vem de muito, muito tempo. Os chefs são considerados estrelas desde os tempos do grande cozinheiro Antoine Carême que viveu no século XVIII, no auge da Revolução Francesa e ficou conhecido como o “chef dos reis e o rei dos chefs”. Em sua vida, serviu Napoleão e depois de sua queda, Carême foi para Londres e trabalhou como chef de cuisine para o Príncipe Regente, George IV. Retornando ao continente, serviu ao Czar Alexander I em São Petersburgo, antes de retornar à Paris, onde trabalhou como chef para o banqueiro James Mayer Rothschild. Ele é lembrado como o fundador do conceito de alta gastronomia.

O grande chef Antoine Carême

Criações de Carême

Mas o que desde aqueles tempos era falado? Que toda grande gastronomia começa com bons ingredientes, e isso na França é da mais pura verdade e importância. Um dia num mercado francês, é uma viagem pela gastronomia, com os ingredientes mais bonitos que se pode encontrar, tudo muito fresco e vindo direto do produtor. É colírio para os olhos, de quem gosta de cozinhar ou somente para aqueles que apreciam uma boa refeição e sabem como é importante a base de tudo. Mas olhando toda a variedade e qualidade dos produtos, percebemos a herança que o povo francês carrega. É quase uma devoção ir ao mercado e escolher o que de mais fresco chegou para ser servido à noite em casa. E não estamos somente das grandes cidades. Praticamente qualquer cidade francesa tem sua feira livre onde todos os dias os ingredientes para uma grande refeição os esperam para irem para a panela. São tantas variedades, tantos cogumelos diferentes, trufas negras, tomates dos mais diversos tipos e cores, queijos e até uma simples abobrinha em flor se torna uma iguaria aos olhos de quem gosta de comer bem. E isso na França é levado tão a sério que faz parte da identidade nacional. E pela culinária se começa e se encerra uma grande viagem pelo ícone mundial da boa comida, seja ela feita pelas criações de um grande chef com estrelas Michelin ou por uma simples dona de casa que vem seguindo receitas que passaram de geração em geração. Bon appétit!

Ale Ravagnani

O restaurante Alinea em Chicago é mesmo o melhor dos Estados Unidos?

Acabamos de conferir se é verdade tal feito. O restaurante de Chicago, além de ser o melhor na terra do Tio Sam, é considerado o 7º melhor restaurante do mundo. Falta para nós, simples mortais, parâmetros para comparação, mas que é uma experiência única isso é sem dúvida e ele cumpre cada centavo gasto nas quase 4 horas de degustação. É uma verdadeira experiência e a pergunta deve ser se ele é bom para você e não necessariamente para o mundo. No total são 16 pratos, ou melhor falando, micro-pratos, mas somando tudo compõe uma bela refeição. Alguma vezes ficamos com aquele gosto de quero mais, mas a ânsia pela próxima experiência se sobrepõe a qualquer gula momentânea. Começando do começo, desde quando resolvemos reservar este banquete para 3 amigos viajando juntos para Chigago, são diversas as particularidades que marcam este restaurante. Foram muitas as trocas de email para se certificar que realmente iríamos encarar a maratona, e as perguntas iam de alergias a algum tipo de alimento, a questões se poderíamos subir escadas. Depois de tudo acertado e checado, chega o grande dia. O ambiente reina a sobriedade, acredito eu para ressaltar somente a comida e nada mais. O início vem com canapés de pequenas porções, mas ao invés do esperado de um aperitivo, texturas inesperadas, sabores que se sobressaem, contraste de texturas, do frio e do quente, mas sempre o inusitado predominando. Um verdadeiro show aos olhos, com uma apresentação impecável, serviço muito solícito, harmonização de vinhos maravilhosos e sem muita afetação. Nosso garçon era simpático e quebrava a formalidade do restaurante. É praticamente um atendente e um sommelier por mesa, mas sem o serviço ser sufocante ou perdermos a privacidade. Alguns pratos que pensamos ser quentes, vem congelados e com textura surpreendentes, outros vem saindo fumaça e não estão necessariamente congelados. As espumas, tão em moda na linha molecular de Ferran Adria aparece, mas vemos que não é pelo modismo, mas sim por ser importante no sabor e na composição. Comemos pelos olhos também, antes mesmo de saber se o sabor agrada. Cada prato ou melhor, colherada, é uma descoberta de sabores e de explosão de cores. É refeição preparada por chef e por artista plástico dos melhores, para se lembrar para sempre. Esqueça a conta e lembre sempre dos sabores e do momento. Neste caso pagar com cartão de crédito não é o mais indicado. A lembrança tem que ser do momento e do sabor e não da conta no final do mês. Ale Ravagnani com a colaboração de Rino Baccin e Marcio Manno

Sobremesa da noite

Menu do restaurante Alinea