Brasil. A 31ª “marca” mais forte do mundo

Parece estranho, mas sim, os países são avaliados como marcas e acaba de sair o ranking da FutureBrand, que avaliou a força da “marca” de 113 nações do mundo, o Country Brand Index (CBI), e o Brasil ficou em 31º colocado, ou seja, o nome Brasil mundo afora e o que ele significa para as pessoas está representado nesta avaliação e no incrível crescimento de 10 posições em apenas um ano desde a última avaliação.

Diversos fatores são analisados, entre eles a qualidade de vida no país, facilidade para geração de novos negócios, consciência ambiental, cultura, liberdade política, sistema jurídico, liberdade de expressão e o turismo, no qual o Brasil aparece como o segundo País com as melhores praias, perdendo somente para a Austrália, e como o terceiro no ranking de vida noturna, atrás de Estados Unidos e Grã-Bretanha.

Entre os Brics, a liderança é da Índia, que fica com a 29º posição, mas o relatório afirma que “o Brasil é a estrela em ascensão do grupo”. Sediar grandes eventos como Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, além do crescimento da economia, explicam a performance do Brasil.

Na América Latina, o único país à frente do Brasil é a Costa Rica, que ocupa a 24ª posição.
E as marcas-país mais fortes do mundo são o Canadá, Suíça, Nova Zelândia, Japão, Austrália, Estados Unidos, Suécia, Finlândia, França e Itália que ocupam as 10 primeiras posições no ranking feito através de entrevistas realizadas em julho de de 2011 com 3,5 mil turistas e empresários, além de dados de 102 especialistas e 14 pesquisas de mercado.

Baia dos Porcos e Morro Dois Irmãos em Fernando de Noronha

Fernando de Noronha ajuda à ótima classificação do Brasil no quesito praias

Porto de St. Antônio em Noronha no pôr do sol

Porto de St. Antônio e Morro do Pico ao fundo

Morro do Pico, cartão postal de Noronha

Praia do Cachorro na Vila dos Remédios, Noronha

Praia da Cacimba do Padre, Noronha

Lagarto que compõe a fauna da ilha

Morro do Pico em Fernando de Noronha

Ale Ravagnani

Anúncios

Achados de viagem

Tem gente que só viaja pra comprar. Eu viajo para conhecer, mas não resisto a um achado de alguma preciosidade, algo que representa o local, que é especial e não vou encontrar em mais nenhum outro lugar. Na volta, o objeto acaba sendo um elo entre a viagem e nossa vida terrena, e quase me transporto quando penso na história daquilo, volto a viajar novamente e o efeito é ainda mais forte que o de olhar uma fotografia. É trazer um pedacinho da viagem e do país comigo. Ale Ravagnani

Guias de lugares que já fui ou que ainda irei

Coleção de fósforos

Boneco de madeira de Burma

Luminária loja do MOMA, NY

Mão linhas da vida, mercado Camden Town, Londres

Trena da história da arte, Museu Reina Sofia, Madri

Enfeites vintage da cozinha, Centro Pompideau, Paris

Coleção de Flip Books

Azeite trufado da França

Cestaria da Amazônia, Pará

Toy Art, Malba, Buenos Aires

Escultura de madeira, Camboja

Quadro da Oficina de Agosto, Tiradentes

Cerâmica do Panamá

Pôster de filme do Jacques Tati, Paris

Chapéu de Londres

Esculturas em metal, México

Personagens Tim Burton, NY

Casal de ratos, Dublin

Carneiros da Patagônia, Argentina

Maple Syrup, Canadá

Escultura de papel, Montmartre, Paris

Fitas do Bonfim, Salvador

Kiwi, Nova Zelândia

Girafa, África do Sul

Pratos da Associação da Boa Lembrança, Gramado, RS

 

Bons destinos para usar suas milhas

Vila de Alter do Chão, Santarém

A primeira coisa que pensamos quando conseguimos acumular milhas para trocar por viagens é emendar aquele feriado em Nova York, passar o Ano Novo em Buenos Aires, ou quem sabe fazer umas comprinhas em Miami. Sem gastar com a passagem, vai sair baratinho… Mas quem disse que conseguimos marcar assim tão fácil cidades tão concorridas? Ou que esses são os melhores lugares para torrar suas milhas? Como essas cidades são servidas por muitas opções de voo, sempre aparecem boas promoções com hotel e aéreo, e que muitas vezes ao fazer as contas, vemos que não vale a pena viajar com as milhas. Minhas melhores viagens usando milhas foram os lugares mais distantes, consequentemente com passagens mais caras. Ir à Patagônia chilena por exemplo, é um bom negócio. Voar São Paulo-Santiago-Puerto Montt-Punta Arenas e voltar com apenas 20.000 milhas, vale muito a pena. Vale cacifar um hotel melhor no parque Torres del Paine economizando com o aéreo. No Brasil, explorar o norte do país, que é bem pouco requisitado, pode ser outra boa opção. Belém e Alter do Chão, perto de Santarém no Pará, são lugares com voos nem tão frequentes e portanto preços mais elevados. Se você nunca ouviu falar de Alter, uma das praias mais bonitas do mundo e segundo o jornal inglês The Guardian, a mais bonita do Brasil, pense logo em ir para lá, antes que o turismo de massa descubra este paraíso à beira do Rio Tapajós. Quando as chuvas param, praias de areia branquinha começam a aparecer e quase acreditamos que o Brasil tem seu Caribe. É uma paisagem de tirar o fôlego e ainda sem muita infra-estrutura, mas mesmo assim somos compensados pelas paisagens da Amazônia. Na América do Norte, procure por lugares que não estão no topo da nossa lista de opções de viagens. Chicago, Vancouver ou até mesmo o Alasca são destinos pouco óbvios, mas cheio de histórias e muita natureza que sempre nos parecem fora de nossas opções quando pensamos em viajar para os Estados Unidos ou Canadá, e apesar da distância do Brasil, o número de milhas é o mesmo que um voo para o México ou Miami. Ale Ravagnani