De volta ao tempo entre Paraty e o Rio de Janeiro

Viajar ao estado do Rio de Janeiro vai além de sol e belas paisagens, é beber da nossa história direto da fonte.

A pouco mais da metade do caminho entre São Paulo e o Rio, meio que escondida na Serra do Mar, fica a bela cidade histórica de Paraty. Fundada em 1667, a cidade passou por momentos áureos, primeiro como um grande centro produtor de cachaça, chegando a ter mais de 250 engenhos de cana de açúcar para a produção da aguardente e no século XVIII, foi um importante porto por onde se escoava o ouro e as pedras preciosas que vinham de Minas Gerais e iam em direção a Portugal. Mais recentemente, com a descoberta pelos turistas, principalmente após a abertura da Rodovia Rio-Santos na década de 70. Espremida entre a Serra da Bocaina e a Serra do Mar, Paraty é única no Brasil. São ilhas e mais ilhas, algumas completamente intocadas e um mar de cor verde sem igual. No lado da Bocaina, a impressão é de se estar no campo, e muito longe do mar, mas basta achar uma brecha entre as montanhas pra encontrar o mar ao longe. E de barco, quanto mais se distancia da costa, mais preservada se encontra a natureza. Na cidade, são Igrejas centenárias e casarões históricos por todos os lados. Símbolos maçons são vistos em muitas de suas construções, mas seus significados hoje em dia são muito mais estéticos do que qualquer outra coisa. Um dia nublado na cidade pode significar um grande dia de caminhadas e descobertas pelas pedras desiguais das ruelas de Paraty e um grande dia tanto quanto se você estivesse nas praias das ilhas logo ali em frente. É uma troca sem perda alguma.

Ilha do Cedro na Baia de Paraty

Vista da Pousada Arte Urquijo em Paraty

Casario histórico de Paraty

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, Paraty

Casa próxima ao cais de Paraty

Vendo o tempo passar, Paraty

Já chegando ao Rio de Janeiro e continuando sua busca pela história, uma parada no centro convida uma volta ao tempo. A Confeitaria Colombo foi fundada em 1894 e não é só pelo concorrido salão de chá que fica apinhado de cariocas e turistas. Sua arquitetura impressiona e na época só rivalizava com as confeitarias de Paris ou Londres. Hoje impressiona muito mais, já que seus mais 100 anos de história não ofuscaram seu glamour, pelo contrário, é uma ilha no meio da cidade, um lugar para parar e esperar o tempo passar, ou até mesmo voltar nele, e tentar se transportar para sua época de ouro, imaginando como eram as pessoas e o que aquilo tudo representava. Hoje em dia, a disputa por uma mesa é grande, assim como as opções do cardápio. Num fim de tarde corrido, depois de desistir de enfrentar a fila para sentar, recorri ao balcão mesmo e provei um gostoso bolinho de bacalhau e para recuperar as energias, uma torta doce mil folhas de cair o queixo. Mas as opções são muitas e um desfile de chás, doces e salgados estão à espera daqueles sortudos de verdade que estão ali sem pressa e sem precisar olhar para o relógio, assim como era a vida 100 anos atrás.

Confeitaria Colombo, Rio de janeiro

Belle Époque da Confeitaria Colombo

Linda arquitetura Art Nouveau

Disputado salão da Confeitaria

Vitrais do teto da Colombo

Mosteiro de São Bento fundado em 1590 no Rio de Janeiro

Mosteiro, a casa dos monges beneditinos

Ale Ravagnani

Rio de Janeiro. Aproveite antes da turma chegar

Vista do Forte de Copacabana

O Rio tem tudo para ser uma das grandes estrelas mundiais do turismo e que agora, pós nominação para as Olimpíadas em 2016 e final da Copa do Mundo em 2014, os olhos se voltarão para ela e o mundo poderá redescobrí-la. Já era tempo para isso acontecer! Como um dos cenários mais espetaculares da terra atraia menos turistas se comparado com outras cidades de porte similar ou até mesmo menor? O Rio não deixa nada a dever a Barcelona na Espanha, Cancun no México, Dubai nos Emirados Árabes e Istambul na Turquia, todas cidades também banhadas pelo mar e com suas dinâmicas ligadas diretamente com a água E todos os 4 destinos citados recebem um número de turistas maior que a nossa tão querida cidade maravilhosa e nenhuma é tão completa ou possui tantos atrativos como aqui.

Vista do Jardim Botânico

Palmeiras Imperiais do Jardim Botânico

O Rio é para se ir sempre, mesmo que somente em um fim de semana. Entre na rotina dos cariocas pra sentir a verdadeira vibração, compre biscoito Globo na praia, caminhe no calçadão pela manhã, ande de bicicleta na Lagoa, tome café da manhã na filial da tradicional Confeitaria Colombo no Forte de Copacabana, passe em alguma das muitas frutarias e peça seu suco feito na hora, nunca pule o happy hour (pode ser no Braca ou em muitos outros), e repita isso todos os dias que você será eternamente mais feliz e muito menos estressado. Se ainda der tempo, aproveite que domingo tem menos trânsito e dirija atá Grumari para tomar a melhor caipirinha de tangerina do mundo e comer uma moqueca no meio de muita vegetação e com vista de perder o fôlego para a Barra de Guaratiba. Procure pelo restaurante da Tia Pamira ou do Bira. Aproveite a viagem e visite o sítio onde viveu o maior paisagista brasileiro, Roberto Burle Marx.

Se bater preguiça de ir longe, o caminho te leva para as ladeiras de Santa Teresa, a Montmartre carioca. A impressão é que se voltou no tempo e o clima bucólico só é quebrado quando se olha para uma das melhores vistas do Rio de Janeiro. O exclusivo Hotel Santa Teresa montado num casarão de 1850 tem um ótimo restaurante, o Térèze, pra se apreciar o clima, o visual e uma culinária de primeira. Procure saber a história do local, que foi o antigo Hotel dos Descasados, além do que os funcionários já irão falar da passagem de Amy Winehouse pelo local. Ou você pode optar pelo restaurante Aprazível, que faz juz ao nome e fica ali pertinho. Em Santa Teresa se encontra o museu Chácara do Céu, onde arte, história e natureza convivem em harmonia. No interior da casa modernista você poderá ver obras de Matisse, Dalí, Miró, Picasso, Debret, Portinari e Di Cavalcanti.

Diversidade no calçadão de Copacabana

Mas o Rio tem muito além das grandes atrações turísticas que todos saber de cor e não preciso escrever aqui. O Jardim Botânico é o grande quintal dos cariocas e andar por seus jardins luxuriantes recupera qualquer mortal de um dia estressante. Repare que pelas árvores centenárias encontram-se macaquinhos, tucanos e muitas outras aves tropicais. Ali perto fica o Parque Lage, que é ótimo para um café da manhã no fim de semana ou quando se tem um pouco mais de tempo pra curtir sem pressa.

Piscina do Copacabana Palace

Vista do Hotel Fasano no entardecer

Porém seu tour ainda não terminou. Caminhar pela orla pode render um dia espetacular. Do calçadão de Copacabana, passando pelo lindo visual do Arpoador, depois Ipanema e finalmente Leblon. Aí entre para o bairro, passeie pela Dias Ferreira e suas charmosas livrarias, tenha uma refeição balanceada, porém muito saborosa no Celeiro ou na filial carioca do paulistano e contemporâneo Carlota e chegue até a Lagoa para terminar de fazer a digestão. Na volta, o happy hour pode ser no badalado hotel Fasano que fica de frente para o mar no metro quadrado mais caro do Brasil. A vista compensa o preço dos drinks ou então rume para a beira da piscina do Copacabana Palace, outra alternativa também classuda. E mesmo que você não esteja hospedado em nenhum desses lugares, termine sua viagem em grande estilo, porque o Rio compensa qualquer extravagância e muitas e muitas idas para viver como um bom carioca da gema.

Os famosos biscoitos de polvilho Globo nas versões doce ou salgado

Ale Ravagnani