Nova York, um lugar que respira arte

Chrysler Building

Algumas cidades do mundo respiram arte até pelos poros. Londres, Paris, Berlin, Chicago, mas nenhuma outra conseguiu democratizar o acesso de maneira tão intensa quanto Nova York. Quando digo arte, não estou falando somente a que está dentro dos museus, aquela dos grandes acervos e das grandes instituições que montam exposições e retrospectivas dos grandes mestres da arte. Nova York transpira arte e ela também está nas ruas e acessível a todos, mesmo aqueles que não estão dispostos a pagar US$ 15 para entrar num museu. É fácil estar em contato com a arte na cidade e acabamos esbarrando em arte pelas ruas e as vitrines das lojas a cada troca de coleção ou em datas comemorativas dão um banho criativo. Um tour só olhando a parte de fora das lojas e magazines já inspira e mostra que a criatividade está ali para todos e percebemos que na era digital das compras on-line, andar pelas ruas ganha um diferencial e alegra as caminhadas. Alguns ótimos exemplos são as vitrines da Bergdorf  Goodman, Tiffany`s, Saks Fifth Avenue, Barneys, entre muitas outras.

Tim Burton no Moma

Também costumo dizer que voltamos de Nova York com torcicolo. A arquitetura dos grandes edifícios históricos são verdadeiras aulas de equilíbrio estético. O grande movimento da arquitetura com os arranha céus começou na década de 30, e a competição era grande, e não somente pela disputa da altura, mas também pela ostentação. O Chrysler Buiding e suas gárgulas lá no alto foram a principal causa da minha dor de pescoço, e até mesmo da minha dor de cotovelo. E quando você entra na Grand Central Station e se depara com aquele gigantesco vão livre e o relógio central, ou então visita a New York Public Library não fica pasmo com todo aquele acervo histórico? Comparando com a cidade de São Paulo, onde atualmente o ápice da arquitetura são os edifícios neo clássicos sem estilos e fora de seu tempo, voltamos de viagem olhando pra baixo para nossos olhos não sofrerem com tal contraste desta pobre arquitetura e crise de identidade urbana que vivemos.

Painéis da Times Square

Mas voltando à arte, o incentivo é o que impulsiona. Além da população apreciar, isto é um legado atemporal e que ajuda a contar nossa história. A recente exposição do cineasta e artista Tim Burton no MOMA – Museu de Arte Moderna, atraiu um público imenso e foi a segunda exposição mais visitada de todos os tempos. E qual é a fórmula? O cara é bom mesmo, um verdadeiro gênio, mas trazer algo novo, com muita ideia e pensamento, foi o mix perfeito para esta explosão, além de atrair um público mais jovem. O ponto negativo foi que havia tanta gente dentro das salas (em 3 andares do museu), que foi impossível olhar com alguma atenção para as mais de 1.000 obras expostas. Mas não deixe se abalar por isto. O Guggenheim e seu prédio-arte projetado por Frank Lloyd Wright são uma das grandes atrações à beira do Central Park, assim como o Metropolitan Museum, ou Met para os novaiorquinos, o Whitney Museum e o Natural History Museum, todos ali na redondeza.
E no próprio parque, diversas esculturas estão ali para tornar nosso passeio mais cultural e provavelmente muito mais instigante. A escultura Alice no País das Maravilhas de 1959 e de 1892, a escultura também em bronze de Cristovão Colombo também é outro marco, mas essas são apenas duas das dezenas de obras que você vai encontrar caminhando.

Rockefeller Center e a escultura Atlas, 1937

Continuamos andando pelas ruas e quanto mais rumamos para o sul da ilha de Manhattan, mais a arte se torna presente e acessível. Agora nos bairros do Soho, Greenwich Village, Chelsea e Meat Packing District, além da arquitetura ser muito mais low profile, mas não menos interessante, os bairros são tomados por galerias de arte, pequenos espaços para exposições, designers de moda, ateliers e praticamente todos os tipos de comércio olhando para sua clientela com humor, irreverência e sempre trazendo algo novo e inusitado a oferecer, seja na “embalagem” ou no conteúdo. Para sociedades mais evoluídas em que o básico já está bem resolvido e a informação é democrática, essas manifestações criativas são mais aceitas e absorvidas pela sociedade.

Rodin até na calçada

Van Gogh e seus campos de milhos no Moma

E para fechar este assunto da arte, que na realidade não tem ponto final e é uma constante sempre em evolução e renovação na cidade, gostaria de deixar mais uma dica. Vá ao prédio da ONU por dois motivos, mesmo ele ficando um pouco fora de mão. O grande salão onde todos os países estão representados é um ícone e mesmo que não nos deixam sentar e admirar por muito tempo, vale para ticar da nossa lista de curiosidades. Mas para mim a grande surpresa foram mesmo as obras de arte, sejam elas peças rebuscadas que foram doados por representantes de governo de países longínquos e que ficam ali expostas ou clássicos que não deixam dúvida de seu valor artístico e nos presenteia com vitrais de Marc Chagall, painel de mosaico de Norman Rockwell ou grandes esculturas que fazem referência a um mundo mais humanizado, com menos violência e diferenças. Agora é torcer para que essas diferenças diminuam e que o entendimento da arte seja mais universal, inclusive para nós brasileiros.

Ale Ravagnani

Non Violence por Carl Fredrick Reutersward na ONU

Vitrais de Marc Chagall, ONU

Painel de mosaico de Norman Rockwell, ONU

Arte interativa na rua

Vitrine da loja Bergdorf Goodman

Quebrando a monotonia

Biscoitos da sorte viram decoração

Bom humor nas ruas

Loja da Apple, bela arquitetura e produtos

Anúncios

Muitos motivos para você ir a Chicago logo

Skyline visto do Millennium Park

Civilidade em Chicago

Willis Tower, prédio mais alto dos EUA

A primeira opção de metrópole nos Estados Unidos que vem na cabeça quando pensamos em viajar é Nova York, mas até você conhecer Chicago. Não que a primeira não seja sempre surpreendente, mas Chicago é diferente. É uma grande cidade, mas sem a bagunça da cidade grande. A maneira como ela está organizada não amedronta e faz a gente se sentir mais acolhido, mas a melhor definição é que Chicago é linda. Grandes arquitetos deixaram um skyline de fazer inveja e uma grande atração é sair a procura dos grandes ícones, seja caminhando pela cidade ou fazendo sob um outro ponto de vista, através de um passeio de barco pelos canais e que termina no grande Lago Chicago. O guia do tour conta a história detalhada de cada edifício, fatos atuais, datas e curiosidades. O edifício mais alto dos Estados Unidos e o 5º maior do mundo com 110 andares é o antigo Sears Tower, hoje com novo nome e chamado Willis Tower, e depois do passeio de barco não deixe de subir lá em cima para ter uma fantástica visão 360º da cidade. Outro grande marco é o par de edifícios redondos Marina City, uma mistura de prédio comercial e residencial construído em 1964 pelo arquiteto Bertrand Goldberg. Mas o maior arquiteto da antiga cidade do Obama é Frank Lloyd Wright. Num suburbio bacana de Chicago chamado Oak Park, Wright começou sua carreira e construiu sua primeira casa em 1898 no estilo Prairie, o único estilo arquitetônico genuinamente americano. A casa-estúdio é aberta para visitação e nos damos conta de cada detalhe que só grandes arquitetos poderiam pensar. Na vizinhança várias outras casas de sua autoria podem ser vistas pelo lado de fora. No total o arquiteto fez mais de 1.000 projetos, sendo que 500 deles foram executados.

Casa-estúdio Frank Lloyd Wright

Casa-estúdio Frank Lloyd Wright

Nathan G. Moore House, Frank Lloyd Wright 1895

O que também faz a diferença na cidade são as atrações ao ar livre espalhadas por toda parte, pelo menos para serem curtidas no verão, como o Navy Pier que se estende sobre o lago e é um passeio gostoso numa tarde ensolarada e o Millennium Park, que daria um capítulo à parte. O “feijão”, apelido da escultura interativa do artista Anish Kapoor (o nome oficial é Cloud Gate), é um exemplo de como a arte pode se aproximar das pessoas. De maneira lúdica, não tem quem não fique intrigado com essa obra e não brinque com os reflexos. Ao lado, a Crown Fountain é outro grande exemplo. Além de ser arte, ela é puro entretenimento. Caminhando mais um pouco, chegamos no Jay Pritzker Pavillion, auditório projetado por Frank Gehry e que traz sua marca que vemos em tantos outros projetos, o metal parecendo maleável e orgânico. Quando a luz estiver indo embora e a arquitetura não ficar mais tão interessante, corra para o Chicago Art Institute, um dos museus mais completos e importantes do mundo.

Cloud Gate, Millennium Park

Crown Fountain, Millennium Park

Navy Pier

Navy Pier, roda gigante de 1893

E quando a luz do dia estiver definitivamente ido embora, é hora de curtir a noite. A cidade é famosa pelos clubes de jazz e blues e boas opções não faltam para os notívagos. Fomos ao Back Room, casa pequena e intimista, ficamos cara a cara com uma das vozes femininas mais bonitas que já ouvimos e tivemos uma noite maravilhosa ao som de clássicos do soul music, pagando a barganha de US$ 20 por pessoa com bebidas.

Union Station, set de filmagem de Os Intocáveis

Agora, se você quiser conhecer Chicago pelos olhos de alguns diretores de cinema, não deixe de ver os seguintes filmes, todos filmados na cidade. Atenção, câmera, ação!

• Inimigo Público – 2009
• Batman – O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight) – 2008
• Estrada da Perdição (Road to Perdition com Tom Hanks) – 2002
• Alta Fidelidade (High Fidelity de Nick Hornby e dirigido por Stephen Frears) – 2000
• O Casamento do meu Melhor Amigo (Julia Roberts) – 1997
• O Fugitivo (The Fugitive com Harisson Ford) – 1993
• Candyman – 1992
• Cortina de Fogo (Backdraft com Robert de Niro) – 1991
• Esqueceram de Mim (Home Alone com Macaulay Culkin) – 1990
• Harry e Sally: Feitos um para o Outro (When Harry Met Sally) – 1989
• Os Intocáveis (The Untouchables de Brian de Palma) – 1987
• A Cor do Dinheiro (The Color of Money) – 1986
• Ordinary People (dirigido por Robert de Niro e Oscar de melhor filme) – 1980
• Intriga Internacional (North by Northwest de Alfred Hitchcock) – 1959

Marina City

Canais e caiaques em Chicago

Vista de barco dos canais

Ale Ravagnani com a colaboração de Rino, Marcio, Beto e Mila