Sob o sol da Toscana

A Itália por si só já desperta em nosso imaginário associações maravilhosas. A região da Toscana concentra o que de melhor essas referências representam. Para mim, as melhores paisagens, e o melhor da história, arte, cultura, culinária, vinho e muito mais, estão concentrados ali. A partir de Firenze, começa nossa rota da cultura pela Itália. Grandes museus e igrejas (que também podem ser chamadas de museus) estão em todas as cidades e tudo respira arte. Grande parte do que foi criado pelos mestres italianos, está ali. Firenze concentra Michelangelo`s como o Davi na Galleria dell`Accademia, O Nascimento de Vênus de Botticelli e a Anunciação de Leonardo da Vinci, ambos na fantástica Gallerie Uffizi, Os Portões do Paraíso no Batistério, o Duomo de Brunelleschi, entre tanta obra de arte tão maravilhosa. A cidade cresceu bastante nos últimos anos e está muito movimentada. Quando você cansar do barulho das motonetas que ficam pra lá e pra cá pelas ruelas, é hora de voltar ao tempo e sair pelas redondezas. No caminho, campos de girassóis, oliveiras e ciprestes enfileirados são colírio para os olhos. Chegando em Siena, terra do vinho Chianti, vá direto para a praça central da cidade, a Piazza del Campo. É lá que acontece em julho e agosto a corrida de cavalos Palio de Siena, que há centenas de anos para a cidade, e tudo fica enfeitado com as cores e bandeiras dos bairros que competem na corrida. Aliás, o nome da cidade vem da cor de siena, que predomina em todas as construções, nada difere ou contrasta na paisagem. De lá, a próxima parada é San Gimignano e suas 14 torres que são símbolo da cidade. Um dia foram 72 torres-casa e representavam o poder e riqueza das famílias. Subindo na Torre Grossa, com mais de 50 metros de altura, se tem a noção da beleza do lugar. Na sequência, a pequena cidade medieval de Volterra merece mais que uma visita rápida. À noite parecemos voltar ao tempo percorrendo a cidade murada iluminada por lampiões. Apesar de não ser tão famosa quanto suas vizinhas, deve ser visitada e de preferência, passar ao menos uma noite, para sentir o clima mágico do lugar. De passagem, são muitas as cidades que temos vontade de conhecer, o difícil é escolher. Viajando de carro facilita muito e para mim é de longe a melhor maneira de ver o máximo da região e com bastante liberdade. Montalcino, terra do famoso vinho Brunello e Montepulciano, ambas pequenas cidades muradas devem estar em seu caminho também. O roteiro termina com mais paradas em Lucca e Pisa, só para termos a certeza de que a torre ainda está lá de pé. Pelo menos por enquanto. Ale Ravagnani

Toscana, Itália

Toscana, Itália

 

Anúncios

Sabores que valem uma viagem

Mexilhões com batatas fritas

Como um bom garfo, muitas de minhas memórias de viagens são gustativas. Ficaram numa boa mesa de restaurante ou numa simples refeição de rua. Um sabor marca pra sempre o lugar onde você está, a companhia, as histórias, a cidade. Quero dividir algumas lembranças que nunca mais saíram da minha cabeça, por mais trivial ou sofisticado que sejam. Aliás, uma ótima maneira de se viajar, é experimentando o que o povo local come. O chef-viajante Anthony Bourdain que diga! Ale Ravagnani

Moules com Fritas servido na panela no mercado das pulgas em Paris (Puces de Saint Ouen)

Hot Dog de rua em Nova York (mas prefira o kosher, que parece mais limpinho)

Ostras na beira da lagoa de Knysna perto da Cidade do Cabo

Bolinho de Polvo comido em pé nas ruas de Tóquio

– Qualquer refeição com frutos do mar, legumes e “pouca pimenta” (que já é muita) em Bangkok

– Picnic com pão, presunto parma e um pedaço de parmesão com uma taça de vinho na região do Brunello di Montalcino na Toscana

Centolla (caranguejo gigante) no sul do Chile

Cordeiro na brasa na Patagônia argentina ou chilena

Cerejas no verão na Espanha ou onde você encontrar na Europa (pelo tamanho e pelo preço de dar raiva)

Pastel de Belém saído do forno quentinho ao lado do Mosteiro dos Jerónimos em Lisboa

– Qualquer pedaço de torta em qualquer esquina de Viena

– Escolher um restaurante estrelado em Londres (se sobrar algumas Libras) no último dia de viagem

Pato no Tucupi do restaurante Lá em Casa em Belém

Frutos do Mar grelhados com frutas (também grelhadas) no Cruzeiro do Pescador na Praia da Pipa

Feijão cozido devagarinho no fogão a lenha do sítio do meu pai

– Qualquer comida de mãe na volta da viagem