Ushuaia, a era do gelo e a cidade do fim do mundo

Tipos de pinguins da Patagônia e da Antarctica

Qual é a sensação de se chegar no fim do mundo? É achar que dali em diante não tem mais nada? Nos esquecemos que a terra é redonda e que isto é um simples ponto de vista. Mas a cidade de Ushuaia localizada no extremo da Patagônia Argentina e da América do Sul, exibe este título e se gaba disso sempre que pode. Como não poderia deixar de ser, talvez por resquícios da antiga briga fronteiriça com o Chile, cada um dos países defende sua cidade como a mais ao sul do mundo. O Chile diz que Puerto Willians é sua resposta e que fica mais ao sul, e realmente é. Mas a Argentina defende Ushuaia para o título dizendo que a cidade chilena é uma simples base naval. De longe e de dentro de um barco, pude notar que Puerto Willians realmente é diminuta e que raramente deve atrair algum visitante. A verdade é que ambas as cidades são praticamente a última povoação da América do Sul antes de chegar à Antarctica. Elas ficam quase uma em frente à outra, situadas na Terra do Fogo com o Canal de Beagle separando-as e fazendo a estratégica ligação entre o Oceano Atlântico e o Pacífico.

Ushuaia e seu aeroporto vistos de cima

Puerto Willians no Chile e o Canal de Beagle

E é justamente a localização de Ushuaia que traz tanta mística e lendas sobre ela. As águas frias atraem uma diversificada fauna com aves como cormorões, pinguins, lobos marinhos e a apreciada centolla, um caranguejo gigante que é uma das grandes estrelas dos cardápios patagônicos. Além dela, que você não vai enjoar mesmo se comer todos os dias, intercale com a fantástica merluza negra (nada a ver com a nossa daqui) e bom apetite! Antes agende um passeio de barco na região do porto e zarpe no horário da tarde para avistar a vida marinha e o Farol do Fim do Mundo, com opção de descer na ilha dos pinguins. Mas o motivo do horário é que na volta, já bem no fim da tarde, o por do sol é um presente com cores que só existem ali.

Porto de Ushuaia

Endurance de 1912 que levou Shackleton à Antarctica

Farol do Fim do Mundo

Ilha dos pinguins no Canal de Beagle

Pinguins no Canal de Beagle

Em Ushuaia opte por um hotel confortável à beira do Beagle e relaxe. Mesmo se você optar por um mais afastado do centro da cidade, o visual compensa. Se der sorte com o tempo, como foi em minha viagem com meu pai, o sol mostra que a natureza está ali bastante intocada e a exploração ainda não está massificada. Se sua viagem for no inverno, siga em frente se você realmente viajar para esquiar, mas não espere grandes infra-estruturas como as estações de esqui mais centrais da Argentina ou do Chile. Gorro, cachecol, luvas e casaco corta-vento tem que fazer parte de sua viagem em qualquer época do ano e prepare-se que o tempo muda sem avisar. Outro atrativo é o Parque Nacional da Terra do Fogo, que você pode fazer em um tour ou então combinar com um motorista de taxi para passar algumas horas ali com você. O início pode ser pelo Trem do Fim do Mundo, uma pequena locomotiva a vapor que passa por um trecho do parque e depois a viagem continua por terra, parando em mirantes e fazendo pequenas caminhadas. Um dos principais atrativos ficam por conta dos castores que foram introduzidos na região por um descuido e hoje fazem barragens imensas, cortando árvores e desviando rios para melhor abrigar sua ninhada e descendentes. Apesar de destruírem a natureza, é uma atração pra nós turistas.

Canal de Beagle perto de Ushuaia

Osso de baleia em restaurante de Ushuaia

Praia em Ushuaia e o Chile ao fundo

Hotel Los Cauquenes, Ushuaia

Casa em Ushuaia

Castoreiras, Parque Nac. Terra do Fogo

Trem do fim do mundo

Mas como esta viagem teve um gostinho especial para mim, em que minha companhia foi ninguém menos que meu pai, optamos por dividí-la em duas partes, o extremo sul que acabei de contar e a região das geleiras, um pouquinho mais ao norte e na fronteira com o Chile e que eu já havia visitado algumas vezes. Ali fica localizado o Campo de Gelo Sul, a maior massa de gelo das Américas e resquício verdadeiro da era do gelo e do que sobrou das glaciações. A partir da cidade de El Calafate (não quero ser repetitivo, portanto veja o post “Patagônia Argentina é logo ali” no blog), e acessível tanto de carro quanto de barco às imensas geleiras e paisagens brancas. Mas desta vez, para mim a novidade nesta viagem foi o Glaciar Upsala, um dos maiores do Parque Los Glaciares, região que concentra grande parte das geleiras na Argentina. Hoje em dia o imenso glaciar está com o acesso mais difícil. O braço do Lago Argentino, onde se chegava de catamarã, está bloqueado por imensos icebergs que não deixam mais os barcos chegarem nem perto de sua base. O caminho ficou mais longe porém muito mais divertido. O barco chega até a Estância Cristina, uma antiga fazenda de ingleses produtores de ovelhas, de lá jipes 4×4 estão esperando para te levar numa sacolejante viagem montanha acima até não haver mais trilhas para carros. A partir daí você está por si próprio e uma caminhada relativamente fácil te leva até a mais bonita de todas as vistas, que se dá para o imenso Glaciar Upsala. É de tirar o fôlego se deparar com tanto contraste e beleza, mas compensa cada tranco no jipe ou escorregada na trilha. Vá com muita expectativa e volte ainda assim surpreendido. Já o famoso Glaciar Perito Moreno é mais fácil de chegar e conhecê-lo, e ainda assim é extremamente belo e parte imperdível da viagem à região. A cidade de El Calafate, base para esta parte da Patagônia, é muito bem organizada e tem toda a infra-estrutura e conforto para o viajante. Aqui o prato principal é o cordeiro patagônico feito no fogo de chão e sempre de comer de joelhos. Só assim pra recuperar seu fôlego e se preparar para mais um novo dia de aventuras que nunca mais sairão de suas memórias. Ale Ravagnani

Icebergs no Lago Argentino

Chegada à Estância Cristina

Trekking para o Glaciar Upsala

Trekking Glaciar Upsala

Glaciar Upsala visto do alto na Estância Cristina

Glaciar Upsala

Anúncios

Nova Zelândia. Aqui se vive de adrenalina

Como um país tão pequeno, rodeado pela natureza e isolado na Oceania pode ter tanta vocação para a adrenalina? Talvez pra quebrar a monotonia ou simplesmente pra dizer para o resto do mundo, “Ei, eu existo”, mas o mais importante é que eles conseguiram. Ou talvez seja uma estratégia de posicionamento de algum marqueteiro em encontrar sua real vocação. E eles conseguiram e chamaram a atenção de corajosos do mundo inteiro que sonharam em experimentar tudo aquilo e mais um pouco. Ou até mesmo os jovens de espírito como eu, que em férias no país vizinho da Austrália, terra dos kiwis, do Senhor dos Anéis, do time de rugby All Blacks e de tantas outras coisas diferentes, voltamos no tempo e na nossa idade. A Nova Zelândia é dividida entre a ilha do Norte e a ilha do Sul, e de norte a sul a adrenalina está por toda parte. Qualquer viagem ao país começa na capital Auckland e subir na torre mais alta do país, a Sky Tower, já dá frio na barriga e a vista da cidade é de tirar o fôlego. A região de Taupo e suas montanhas é o lugar ideal para paragliding, asa delta, paraquedismo e tudo mais que voa. Pertinho dali, em Rotorua, uma das cidades com maior atividade vulcânica do país, denuncia onde estamos antes mesmo de chegar. O cheiro de enxofre no ar está por toda parte e caminhar pelas passarelas no meio de lagoas termais, piscinas de lama borbulhantes, geysers e mini-vulcões indicam que logo ali embaixo da terra alguma coisa está acontecendo.

Preparação do Balão, Ilha do Sul

Nosso balão no ar na visão de outro balão

Lake Matheson e o Mount Cook ao fundo

Mas pé na estrada que ainda tem chão. Chegando em Christchurch, cidade típica da colonização inglesa já na ilha do Sul, começamos de um jeito mais light, com um passeio de balão para ver os Alpes do Sul onde fica maior montanha do país, a Mount Cook, com quase 4 mil metros de altura. Tudo depende do clima, do vento e da previsão na manhã da partida e uma confirmação por telefone é que vai definir a saída ainda na madrugada. Chegando ao lugar, com o balão na caçamba do carro, ajudamos na montagem e um pequeno balão meteorológico define pra que lado seguir, ou melhor, pra que lado o vento vai nos levar. Todos sobem no cesto de vime rapidamente pra não ficar pra trás e uma vez lá em cima, tudo vai ficando pequeno lá embaixo e o silêncio impera, só quebrado pelo barulho do ar quente enchendo o balão ou por um telefone celular que de repente toca lá nas alturas. No alto não percebemos a velocidade do vento e quando estamos descendo e vamos nos aproximando do chão é que vemos a real velocidade e ao tocar no solo, que em nosso caso tinham muitas pedras, deu o tom radical do passeio com o cesto virando e terminando nosso voo de maneira repentina e engraçada, com os 5 passageiros e o piloto deitados no chão. Mas valeu cada segundo e cada centavo da viagem.

Bungy Jump na ponte Kawarau, Queenstown

Cidade de Queenstown, Ilha do Sul

A parada seguinte foi a cidade de Queenstown, a principal meca dos esportes radicais do país. O início da experiência foi conhecer o primeiro bungy jump do mundo na ponte Kawarau, criado em 1988 por A J Hackett. Fui o último louco do dia a me atirar da ponte e mesmo sem coragem resolvi me desafiar. Quase desisti depois de tudo acertado, mas o meu instrutor disse que daquele ponto não tinha mais volta. Olhei pra frente, respirei fundo e fui. Acho que só voltei a respirar quando senti a corda se esticando nos meus tornozelos e vi que não afundei no rio semi-congelado. Um pequeno barco me resgatou e me deixou na margem e quase sem força pra subir de volta e com as pernas bambas, estava vivenciando o poder da descarga de adrenalina no corpo. Vale lembrar que a altura deste bungy jump “tem só” 43 metros de altura, e hoje em dia o mais alto tem 143 metros de altura!

Fox Glaciar visto do alto

Chegada do helicóptero no Fox Glaciar

Trekking no Fox Glaciar

Cavernas no gelo

No dia seguinte foi a hora de conhecer um dos glaciares do país, mas de maneira diferente. Subimos num helicóptero e rumamos à montanha. Lá, antes de pousar, nossa guia pula com o aparelho ainda no ar e faz sulcos no gelo para dar maior aderência para não patinar no pouso. Depois de alguns minutos finalmente pousamos, mas o helicóptero ainda derrapa consideravelmente. Nosso trekking no alto do Glaciar Fox começa e com um grupo de 9 pessoas atravessamos fendas enormes, passamos por cavernas de um gelo azul sem igual e vamos tentando manter o equilíbrio de marinheiros de primeira viagem sobre o gelo espesso de milhares de anos. Graças aos sapatos com grampões, nossos sticks para caminhada e de vez em quando o apoio de uma corda, subimos montanha acima nessa aventura pelo gelo. Do alto, vemos o mar que está a poucos quilômetros. Esse é um dos poucos glaciares que está praticamente ao nível do mar. Na volta, nossa guia chama o helicóptero pelo rádio, apesar da comunicação ser difícil e quase já sem luz do dia, ele nos resgata e nos leva de volta sãos e salvos ao pequeno vilarejo.

Jet Boat no rio Shotover, Queenstown

Dia seguinte, nova aventura. Andar nos rios de água de degelo em grande velocidade com barcos de alta propulsão chamado Jet Boat é uma das maiores aventuras de Queenstown. O grande barato são as finas que nosso piloto tirava dos paredões do canyon no rio Shotover ou sem medo passa por cima de bancos de areia e galhos secos. Quando víamos o sinal que o piloto fazia com as mãos, atenção redobrada e os braços colavam para se segurar e se apoiar porque cavalo de pau e um giro de 360º vinham pela frente. É quase uma montanha russa sem trilhos ou rota definida num dos rios de cor azul esverdeado mais bonito que eu já vi. No extremo sul da ilha, os fiordes de Milford Sound em Te Anau chamam para uma exploração de barco ou para caminhadas com um cenário deslumbrante com cachoeiras altíssimas e uma das maravilhas da natureza do mundo. Pra quem ainda tiver fôlego, novos esportes estão sempre surgindo. Basta você descobrir qual é o seu. Se você não for tão radical, vá para a Nova Zelândia assim mesmo. A beleza natural do país é tão linda e as cidades tão acolhedoras, e a infra estrutura do país tão perfeita, que agradam a gregos, troianos, radicais ou sedentários. Ale Ravagnani